Jornalistas mexicanos, usando equipamento de proteção individual em meio à pandemia do COVID-19, cobrem protesto de funcionários administrativos do Hospital Geral Balbuena, na Cidade do México, em 16 de abril de 2020. (AFP / Pedro Pardo)

Recomendações de segurança do CPJ: Cobrindo o surto de coronavírus

Atualizado em 14 de agosto de 2020

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o surto de COVID-19 (novo coronavírus) uma pandemia em 11 de março de 2020.

Jornalistas de todo o mundo estão desempenhando um papel crucial em manter o público informado sobre a pandemia e os esforços  dos governos para combatê-la, apesar das tentativas de autoridades de vários países de reprimir as informações independentes e o acesso à informação, como documentado pelo CPJ. Membros de meios de comunicação estão sofrendo enorme pressão e tensão, e frequentemente estão potencialmente expostos a infecções por viagens, entrevistas e locais em que se encontram trabalhando, de acordo com as entrevistas do CPJ com jornalistas. Os jornalistas enfrentaram censura, detenção, assédio físico e on-line e a perda de seus meios de subsistência devido ao COVID-19, conforme salientado em relatórios recentes do CPJ.

À medida que a situação continua a evoluir e com novas informações, recomendações de saúde e notícias atualizadas sobre a epidemia serão emitidas pelas autoridades relevantes. Para manter-se atualizado sobre as mais recentes orientações e restrições, os jornalistas que cobrem o surto devem monitorar as informações da OMS e de seus órgãos locais de saúde pública.

Para manter-se atualizado sobre os mais recentes desdobramentos da pandemia, o John Hopkins University Coronavirus Resource Center [Centro de Recursos de Coronavírus da Universidade John Hopkins] é um meio seguro e confiável.

FICAR SEGURO EM CAMPO

As restrições de viagens internacionais permanecem em vigor e mudam com frequência. Existe uma alta probabilidade de que todas as coberturas mudem ou sejam canceladas com pouco ou nenhum aviso prévio, devido à rápida mudança e evolução da situação em todo o mundo.

Aqueles que planejam cobrir a pandemia do COVID-19 devem considerar as seguintes informações de segurança:

Pré-cobertura

  • Para minimizar o risco de exposição, sempre que possível, continue fazendo entrevistas por telefone ou on-line, e não pessoalmente.
  • De acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), idosos e indivíduos com condições de saúde subjacentes, como diabetes ou obesidade, são considerados de maior risco. Se você se enquadra nessas categorias, deve evitar participar de qualquer cobertura que o coloque em contato direto com o público em geral. Deve-se considerar também tal função para funcionárias que estejam grávidas.
  • Ao selecionar o pessoal para alguma reportagem relacionada à pandemia do COVID-19, a chefia deve estar atenta a ataques racistas contra certas nacionalidades, como destacado pela NHK World.
  • Alguns países que haviam suspendido medidas de bloqueio, voltaram a impô-las, como noticiado pela Forbes. Portanto, discuta quais planos a equipe de gerenciamento da cobertura vai implantar para ajudá-lo e apoiá-lo caso você fique doente durante a cobertura, levando em consideração a possibilidade de precisar isolar-se voluntariamente e/ou de ficar em uma zona de quarentena/confinamento por um longo período.

Bem-estar psicológico

  • Até os jornalistas mais experientes podem enfrentar problemas psicológicos ao reportar sobre a pandemia de COVID-19, de acordo com o Reuters Institute da Universidade de Oxford. Os que chefiam a cobertura devem conferir regularmente com seus jornalistas como eles estão lidando com isso e oferecer orientação e apoio se e quando necessário.
  • Familiares provavelmente ficarão preocupados e/ou estressados ​​se você planeja cobrir o COVID-19. Converse com eles sobre os riscos e as preocupações deles. Se necessário, estabeleça uma conversa entre seus familiares e os consultores médicos da sua organização.
  • Jornalistas disseram ao CPJ que, ao participar da cobertura sobre o COVID-19, até familiares e amigos questionaram os perigos, muitas vezes reagindo negativamente. Isso pode ser desanimador.
  • Considere o potencial impacto psicológico de informar de um local ou área afetada pelo COVID-19, especialmente se reportar de instalações médicas, de isolamento ou zona de quarentena. Um recurso útil para profissionais da mídia que cobrem situações traumáticas pode ser encontrado no DART Center for Journalism and Trauma [Centro DART para o Jornalismo e Trauma]. Visite a página de Emergências do CPJ para obter recursos externos de segurança, incluindo as melhores práticas de saúde mental para jornalistas que cobrem o COVID-19.

Evitando o contágio e contagiar outros

A maioria dos países está praticando distanciamento social / físico, embora a distância recomendada agora varie dependendo do país em que você está, de acordo com a Reuters. Caso informe de locais como serviços de emergência ou visite lugares de alto risco, como os descritos abaixo, informe-se com antecedência sobre as medidas de higiene necessárias. Em caso de dúvida, não visite.

  • Qualquer tipo de estabelecimento de saúde.
  • Lares para idosos.
  • As casas de uma pessoa doente e/ou idosa, de alguém com problemas de saúde ou de alguém que possa estar grávida.
  • Uma fábrica onde o risco de transmissão é considerado alto, como uma indústria de processamento de carne.
  • Necrotérios, funerárias, crematórios ou sepultamentos.
  • Zonas de quarentena, isolamento ou bloqueio.
  • Áreas urbanas densamente habitadas, com moradias contíguas (por exemplo, áreas insalubres ou favelas).
  • Campos de refugiados.
  • Centros de detenção ou presídios com casos de COVID-19.

As recomendações padrão para evitar a infecção incluem:

  • Mantenha a distância física segura recomendada com todos, que pode variar de acordo com as recomendações das autoridades locais. Tenha cuidado especial com aqueles que apresentam quaisquer sinais ou sintomas de doença respiratória, como tosse e espirros, e / ou ao entrevistar idosos, pessoas com problemas de saúde subjacentes, qualquer pessoa próxima a indivíduos sintomáticos, profissionais de saúde que tratam de COVID- 19 pacientes ou trabalhadores em qualquer local de alto risco.
  • Sempre procure entrevistar pessoas em um espaço externo. Se você precisar realizar a entrevista em ambiente fechado, escolha um local com algum tipo de fluxo de ar (janelas abertas, por exemplo) e evite salas pequenas ou lugares confinados.
  • Não aperte as mãos, abrace e/ou beije ninguém.
  • Tente ficar em ângulo com o entrevistado durante o diálogo, em vez de ficar frente a frente, mantendo a distância física recomendada.
  • Lave as mãos regularmente, de maneira adequada e completa, por pelo menos 20 segundos de cada vez, usando água quente e sabão. Seque as mãos de maneira apropriada. Um guia muito útil sobre como lavar e secar as mãos adequadamente pode ser encontrado no site da OMS.
  • Use gel ou lenços antibacterianos na falta de água quente e sabão, mas sempre lave as mãos depois com água quente e sabão o mais rápido possível. (O CDC recomenda o uso de desinfetantes para as mãos à base de álcool com mais de 60% de etanol ou 70% de isopropanol.) Não substitua a rotina regular de lavagem das mãos pelo uso de desinfetante para as mãos.
  • Sempre cubra a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. Se você tossir ou espirrar em um lenço de papel, descarte-o imediatamente de maneira segura e apropriada e lembre-se de lavar bem as mãos depois.
  • Evite tocar seu rosto, nariz, boca, orelhas etc., conforme enfatizado pela BBC.
  • Evite beber/comer usando xícaras, louças ou talheres que possam ter entrado em contato com outras pessoas.
  • Todo o cabelo deve estar coberto. Cabelos longos devem ser amarrados e assentados sob uma touca.
  • Remova todas as joias e relógios antes de qualquer cobertura, observando que o vírus pode permanecer vivo em vários tipos de superfície por diferentes períodos de tempo .
  • Caso seja possível, evite usar lentes de contato durante a cobertura devido à probabilidade de tocar seus olhos e aumentar suas chances de infecção.
  • Avalie quais roupas você vai usar, levando em conta que certos tecidos podem ser limpos com mais facilidade do que outros. Todas as roupas devem ser cuidadosamente removidas e lavadas em alta temperatura com detergente após qualquer cobertura.
  • Se possível, evite manusear dinheiro durante seu trabalho e limpe regularmente seus cartões de crédito/débito, carteira e/ou bolsa. Evite ao máximo colocar as mãos nos bolsos.
  • Analise como será seu deslocamento para ir e voltar da cobertura. Evite usar transporte público na hora do rush e use álcool gel nas mãos ao desembarcar do meio de transporte.
  • Se estiver viajando em um automóvel pessoal ou da empresa, lembre-se de que um passageiro infectado pode transmitir o vírus para os outros dentro do veículo, como ressaltado pela BBC na Índia. Viaje com as janelas abertas para garantir um bom fluxo de ar em todo o veículo e considere o uso de coberturas faciais ou máscaras durante todo o percurso.
  • Faça paradas regulares e esteja atento aos níveis de fadiga e energia, já que pessoas cansadas ​​têm maior probabilidade de cometer erros em sua higiene pessoal. Também leve em conta que as pessoas possam percorrer longas distâncias antes e depois do trabalho.
  • Sempre lave bem as mãos com água quente e sabão antes, durante e depois de sair de uma área afetada.
  • Se você apresentar sintomas, especialmente febre ou falta de ar, verifique como obter tratamento médico. A maioria dos órgãos de saúde governamentais agora recomendam a auto quarentena para evitar infecção de outras pessoas. Se estiver em uma área altamente infectada, provavelmente encontrará outros pacientes infectados com COVID-19 em centros de tratamento lotados, aumentando assim suas chances de exposição.
  • Consuma apenas carnes e ovos bem cozidos.

Segurança Do Equipamento

A probabilidade de espalhar o COVID-19 através de equipamentos contaminados é real. Um rigoroso regime de limpeza e desinfecção deve ser praticado e respeitado o tempo todo:

  • Use microfones direcionais tipo “espinha de peixe” a uma distância segura, sempre que possível. Microfones de lapela só devem ser usados em circunstâncias controladas combinadas com a adesão a protocolos de higiene rígidos.
  • As capas dos microfones devem ser desinfetadas e lavadas em alta temperatura com detergente ao final de cada cobertura. Procure orientação / treinamento sobre como remover a capa com segurança para evitar qualquer probabilidade de contaminação cruzada. Se possível, evite as capas do tipo ‘wind muff‘ [abafadora de vento], que são mais difíceis de limpar.
  • Use fones de ouvido de baixo custo sempre que possível e trate-os como descartáveis, principalmente para os convidados. Limpe e desinfete todos os fones de ouvido antes e depois do uso.
  • Use lentes de longo alcance para ajudar a manter uma distância segura no local.
  • Sempre que possível, utilize equipamentos móveis em vez dos que possuem cabos.
  • Pense em como você armazenará seu equipamento durante o serviço. Não deixe nada espalhado, coloque tudo de volta no estojo e feche-o (ou use algum tipo de maleta de viagem resistente, que é muito mais fácil de limpar e manter limpo).
  • Se possível e prático, envolva o equipamento com algum tipo de embalagem / proteção plástica ao usá-lo. Isso minimizará a superfície do equipamento que pode ser contaminada e será mais fácil de limpar e desinfetar.
  • Leve consigo baterias sobressalentes totalmente carregadas e evite carregar qualquer coisa no local, pois seria outro item que poderia ser contaminado.
  • Sempre descontamine todos os equipamentos com lenços antimicrobianos de ação rápida, como o Meliseptol, seguido de uma limpeza completa, incluindo, entre outros, telefones celulares, tabletes, cabos, plugues, fones de ouvido, laptops, discos rígidos, câmeras, crachás de imprensa e fitas de pescoço.
  • Assegure-se de que todo o equipamento seja descontaminado novamente ao devolvê-lo ao local usado como base, e que os responsáveis pelo equipamento tomem conhecimento da condição em que estão e saibam como limpar os equipamentos com segurança. Certifique-se de que nenhum equipamento seja colocado e deixado no local sem ser entregue diretamente à pessoa responsável pela limpeza.
  • Se estiver usando um veículo para a tarefa, assegure-se de que o interior receba uma limpeza completa e profunda após qualquer cobertura, de preferência por alguém treinado adequadamente. Atenção especial deve ser dada às maçanetas das portas, volante, alavanca da embreagem, alavanca do freio de mão, espelhos retrovisores, apoios de cabeça, cintos de segurança, painel de instrumentos e abaixadores / travas / botões de janelas.

Limpeza De Equipamentos Elétricos

Os pontos a seguir oferecem algumas orientações gerais sobre a limpeza de equipamentos elétricos. Sempre leia as orientações do fabricante antes de tentar qualquer limpeza.

  • Sempre desconecte / remova todas as fontes de energia, dispositivos e cabos.
  • Mantenha líquidos longe do equipamento e não use aerossóis, alvejantes e abrasivos – isso provavelmente danificará o equipamento.
  • Nunca pulverize qualquer substância diretamente no seu dispositivo.
  • Use apenas um pano não abrasivo, macio e sem fiapos.
  • Deixe o pano umedecido, mas NÃO molhado. Adicione um pouco de sabão ao pano e esfregue-o com a mão.
  • Limpe completamente o dispositivo várias vezes.
  • Não permita a entrada de umidade nas aberturas (como tomadas de carregamento, tomadas de fone de ouvido, teclados).
  • Seque seu dispositivo com um pano limpo, seco e macio.
  • Alguns fabricantes recomendam toalhas de álcool isopropílico 70% para quaisquer superfícies duras e não porosas.
  • Se precisar desinfetar seu equipamento, verifique sempre primeiro com o fabricante, pois os desinfetantes podem danificar seu dispositivo.

Orientações mais detalhadas podem ser obtidas através deste artigo.

Equipamento Médico De  Proteção  Individual – EPI

(PPE, na sigla em inglês)

Colocar (vestir) e retirar com segurança qualquer EPI médico (como luvas descartáveis, máscaras faciais, aventais / macacões / roupas de proteção, capas de sapatos descartáveis etc.) requer a estrita observância e adesão às melhores práticas de segurança. Clique aqui para obter orientações gerais do CDC. Deve-se tomar um cuidado especial ao remover o EPI, pois é quando o risco de contaminação cruzada é maior, portanto, não seja complacente com essas medidas. Em caso de dúvida, procure orientação e treinamento de especialistas antes de realizar qualquer cobertura.

Observe que, em alguns países, o EPI médico está disponível em quantidade insuficiente e, portanto, difícil de obter; então, o uso desse equipamento pode causar escassez.

  • Verifique se qualquer EPI a ser usado possui o tamanho correto para você. O EPI mal ajustado pode rasgar e / ou restringir o movimento (se estiver muito apertado) e pode ficar preso em objetos como maçanetas e rasgar (se estiver muito solto).
  • Sempre use marcas conceituadas ​​de EPI médico, prestando atenção às especificações de segurança mínimas necessárias. Cuidado com equipamentos defeituosos, como ressaltado pelo The New York Times, bem como produtos falsificados, conforme enfatizado pela Securing Industry. Algumas das marcas líderes e mais respeitadas podem ser vistas aqui.
  • Use luvas de proteção se estiver trabalhando ou visitando um local infectado, como uma instalação de tratamento médico. Observe que as luvas nitrílicas oferecem maior proteção que as de látex. Usar dois pares melhora a segurança.
  • Caso reporte de um local de alto risco, como uma instalação de tratamento médico, com certeza serão necessários EPI médicos adicionais, como traje corporal e máscara facial completa.
  • Se precisar utilizar macacão de corpo inteiro, certifique-se de usar o banheiro antes de vestir o EPI.
  • Dependendo da cobertura, talvez seja necessário usar calçados descartáveis ​​ou utilizar protetores impermeáveis, que devem ser limpos e enxaguados assim que você sair do local. Se usar protetores à prova d’água, eles devem ser descartados de maneira segura antes de sair do local.
  • Recomenda-se que todo o EPI médico seja colocado / descartado sob a supervisão de um profissional treinado, levando em consideração que esse pode ser o momento da exposição. Esse vídeo de colocação e retirada no site do CDC pode ser útil, embora não deva ser usado como um substituto para o treinamento / supervisão.
  • Nunca reutilize EPI de uso único como luvas, traje corporal, aventais ou protetores para sapatos. Qualquer equipamento reutilizável deve ser adequadamente descontaminado e higienizado. Garanta que todo o EPI médico contaminado seja descartado da maneira apropriada ANTES de sair do local afetado.

Máscaras Faciais

O uso correto de máscaras é especialmente importante para jornalistas que continuam a fazer reportagens na comunidade, o que pode significar entrar em espaços confinados, lugares lotados e falar com o público. Em 9 de julho de 2020, a OMS divulgou uma orientação atualizada afirmando que COVID-19 provavelmente estará no ar em locais específicos. Esses locais incluem (mas não estão limitados a) espaços confinados com pouco ou nenhum fluxo de ar e lugares lotados. Você deve estar ciente de que a concentração de carga viral no ar nesses locais provavelmente será significativamente maior do que o normal, aumentando, portanto, suas chances de exposição.

Muitos países agora exigem e / ou estão aconselhando o uso de coberturas faciais e / ou máscaras faciais pelo público em geral, como divulgado pela Al-Jazeera. O CDC recomenda que as pessoas usem coberturas faciais de múltiplas camadas de tecido – mas não máscaras de grau médico, que são escassas – para cobrir o nariz e a boca em um ambiente comunitário. A OMS recomenda que pessoas com 60 anos ou mais, assim como qualquer pessoa com uma (s) condição (s) de saúde subjacente, usem uma máscara de grau médico quando estiverem fora de casa e não possam se distanciar fisicamente. Eles recomendam que todas as outras pessoas usem uma máscara de tecido com três camadas.

A menos que usada corretamente, há preocupações de que as máscaras possam realmente se tornar uma fonte de infecção. Um estudo recente do Lancet mostra um nível detectável de vírus infeccioso ainda presente em uma máscara cirúrgica até sete dias após a exposição. Com base neste estudo, tirar ou reutilizar uma máscara, ou tocar o rosto ao usá-la, pode significar risco de infecção.

Se usar máscara, siga as seguintes recomendações:

  • Se necessário, uma máscara N95 (ou FFP2/FFP3) é recomendada em vez de uma máscara “cirúrgica” padrão.
  • Verifique se a máscara se encaixa com segurança sobre a ponte do nariz e a do queixo, minimizando as lacunas no ajuste. Garanta que todos os pelos faciais sejam mantidos absolutamente no mínimo para garantir uma boa e firme vedação ao rosto. Esteja ciente de que pelos faciais grossos impedirão que isso aconteça.
  • A adesão estrita à segurança da máscara facial é essencial. Evite tocar na parte da frente da máscara, remova-a apenas pelas correias e evite ajustá-la, a menos que seja absolutamente necessário. Lave as mãos imediatamente se elas entrarem em contato com a máscara.
  • Reutilizar máscaras é de alto risco. Sempre descarte imediatamente as máscaras usadas em um saco selado.
  • Sempre lave as mãos com sabão e água quente ou com um desinfetante para as mãos à base de álcool (mais de 60% de etanol ou 70% de isopropanol) após remover a máscara, mas lave as mão com água quente e sabão assim que possível.
  • Substitua a máscara por uma nova, limpa e seca, assim que ficar molhada ou umedecida.
  • Lembre-se de que o uso de uma máscara é apenas uma parte da proteção pessoal. Não tocar na boca, nariz e olhos e lavar as mãos regularmente com água quente e sabão é absolutamente essencial.
  • Esteja ciente de que as máscaras faciais podem estar em falta e / ou sujeitas a aumentos acentuados de preços, dependendo do local.

Segurança Digital

  • Esteja ciente que jornalistas podem estar sujeitos a níveis crescentes de hostilidade on-line em relação a reportagens sobre a pandemia de COVID-19. Revise as práticas recomendadas pelo CPJ para se proteger de ataques.
  • Governos e empresas de tecnologia estão usando cada vez mais a vigilância como uma maneira de rastrear a disseminação do COVID-19. Isso inclui o NSO Group, que criou o Pegasus, um spyware que tem sido usado tendo jornalistas como alvo, de acordo com o Citizen Lab. Grupos de liberdades civis estão ficando preocupados com o modo como essas técnicas de vigilância serão usadas para rastrear pessoas após o término desta crise de saúde. A Transparency International está acompanhando esses desdobramentos globais em seu site.
  • Pare um pouco e reflita antes de clicar em links ou baixar documentos contendo informações sobre o COVID-19. Os criminosos estão aproveitando a atual crise de saúde e pânico para atingir pessoas e organizações com ataques sofisticados de phishing que podem levar à instalação de malware em seus dispositivos, de acordo com a Electronic Frontier Foundation.
  • Tenha cuidado ao clicar em qualquer link relacionado ao COVID-19 nas redes sociais, pois alguns podem direcionar a sites que infectam dispositivos com malware.
  • Fique atento a aplicativos maliciosos direcionados a bloquear o acesso e realizar extorsões (ransomware), como o COVID-19 Tracker.
  • Há relatos de que mapas que mostram informações atualizadas sobre COVID-19 baseados em fontes respeitáveis, como a OMS, contêm malware que pode ser usado para roubar senhas.
  • Esteja ciente das desinformações patrocinadas pelo Estado, conforme relatado pelo The Guardian, bem como das desinformações gerais, algo sobre o qual a OMS alertou especificamente e que a BBC destacou. Um guia que desmente mitos e boatos sobre o COVID-19 está disponível no site da OMS.
  • Cuidado com as informações sobre o COVID-19 compartilhadas por meio de bate-papos em aplicativos de mensagens, que podem conter informações falsas e boatos.
  • Esteja ciente de que agora o conteúdo do COVID-19 no Facebook está sendo moderado por inteligência artificial (IA) em vez de verificadores humanos, o que fez com que um conteúdo legítimo sobre a doença fosse removido por engano.
  • Leia sobre os serviços de conferências on-line e questões de privacidade para saber o que esses serviços estão fazendo com seus dados, ao que eles têm acesso e quão seguros eles são. Esteja alerta para o fato de que, com um número crescente de pessoas trabalhando em casa, os serviços estão sendo alvo de hackers.
  • Fique atento aos riscos decorrentes de informar sobre ou em países com regimes autoritários, que provavelmente monitorarão de perto a cobertura da epidemia de COVID-19. Certos governos podem tentar ocultar a extensão de qualquer surto e/ou censurara mídia, como já foi realçado pelo CPJ.

Crime e Segurança Física durante uma cobertura

Jornalistas e profissionais da mídia devem estar cientes dos níveis crescentes de sentimento contrário à imprensa e hostilidade em relação a eles, incluindo assédio verbal e agressão física durante uma cobertura, como visto nos EUA, de acordo com o U.S. Press Freedom [Rastreador de Liberdade de Imprensa dos EUA], Alemanha, Reino Unido, Índia e Somália.

  • A perspectiva econômica global continua desafiadora, com pessoas perdendo seus empregos e até meio bilhão de pessoas potencialmente caindo na pobreza, de acordo com a Oxfam. A probabilidade de um aumento na atividade criminosa é real, especialmente o cibercrime, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Cambridge.
  • Se você puder viajar para uma missão internacional (veja abaixo), pesquise a situação de segurança mais recente em seu destino. Embora a escala de distúrbios tenha diminuído, houve incidentes e protestos violentos em todo o mundo desde o final de fevereiro. Esteja alerta de que a agitação pode ocorrer novamente se os bloqueios forem reimpostos devido a uma segunda onda.
  • Muitas áreas urbanas estão bem mais silenciosas do que o habitual e os recursos policiais estão sobrecarregados. Existe o risco de os criminosos tirarem proveito dessa situação. Alguns jornalistas relatam ter sido assediados verbalmente, alvo de criminosos, assim como agredidos, portanto não considerem a segurança como certa..
  • Tenha cuidado especial ao informar de áreas rurais. As pessoas podem suspeitar e/ou ter raiva de “forasteiros” temendo que possam trazer o COVID-19 consigo.
  • Esteja ciente de uma possível reação excessiva da polícia quanto a medidas de isolamento da COVID-19, como agressão física e uso de munição real, gás lacrimogêneo e balas de borracha.
  • Se estiver reportando de uma prisão ou centro de detenção, o jornalista deve estar alerta aos perigos apresentados pelos reclusos que protestam e / ou a tumultos em relação ao surto de COVID-19, como visto anteriormente em Serra Leoa, Itália, Nigéria, Colômbia e Índia.
  • Leve em conta um possível aumento nos níveis de criminalidade, observando que países como Iraque, EUA, Irlanda, Indonésia, Etiópia, Palestina, Somalilândia e Irã libertaram presidiários para aliviar a população carcerária durante a epidemia de COVID-19.
  • Permaneça atento à possibilidade de saques e roubos, especialmente se as medidas de bloqueio forem reimpostas e / ou os níveis de desemprego aumentarem.
  • Jornalistas em países com regime autoritário devem estar informados sobre os risco de detenção, prisão e/ou deportação ao noticiar sobre a epidemia provocada pelo COVID-19, conforme ressaltado pelo CPJ.

Viagens Internacionais a Trabalho

Devido a restrições globais, as viagens internacionais continuam sendo um desafio. Se uma cobertura no exterior for possível, considere o seguinte:

  • Esteja ciente de que as medidas de bloqueio e / ou toque de recolher podem variar em diferentes partes de um país. Observe que as medidas locais de bloqueio podem ser impostas com pouco ou nenhum aviso prévio.
  • As medidas de quarentena no retorno podem ser introduzidas / revisadas com pouco ou nenhum aviso, dependendo do local de onde você está voltando, como observado recentemente com pessoas que voltaram da Espanha para o Reino Unido.
  • Identifique todas as instalações de tratamento médico na área em que você realizará coberturas. Observe que os profissionais de saúde podem entrar em greve ou protestar com pouco ou nenhum aviso prévio, incluindo Índia, Serra Leoa, Nigéria e França.
  • O acesso ao EPI médico pode ser limitado e / ou inexistente. Sempre pesquise a disponibilidade antes de qualquer missão e, se necessário, leve suprimentos com você.
  • Assegure-se de que todas as vacinas e profilaxias relevantes estão atualizadas para o seu destino. Considere tomar a vacina contra a gripe para evitar confusão sobre sintomas que você possa apresentar.
  • Verifique sua apólice de seguro de viagem, observando que pode não ser possível obter cobertura para viagens relacionadas ao COVID-19. Considere que muitos governos emitiram níveis variados de recomendações e alertas relativos a viagens internacionais.
  • Observe regularmente o status de um evento do qual planeje participar, levando em conta que vários países proibiram reuniões públicas acima de um determinado número de pessoas.
  • Confira as proibições de viagem existentes e / ou futuras para o destino pretendido, que podem mudar em pouco tempo.
  • Garanta que você tenha um plano de contingência, considerando que centros urbanos, regiões específicas e/ou países inteiros podem ser isolados e colocados em quarentena com pouco ou nenhum aviso prévio.
  • Muitas fronteiras terrestres permanecem fechadas em todo o mundo. Quaisquer fronteiras reabertas podem fechar novamente sem aviso, algo que deve ser levado em conta no seu planejamento.
  • Não viaje se estiver doente. A maioria dos aeroportos internacionais e regionais, bem como outros centros de transporte, implementaram rigorosas medidas de rastreamento de saúde. Os viajantes provavelmente enfrentarão testes médicos, quarentena forçada ou isolamento na chegada.
  • As opções de viagens globais ainda são limitadas devido às companhias aéreas que estão cancelando voos de / para muitos destinos.
  • Observe que o COVID-19 está causando problemas financeiros significativos para muitas companhias aéreas, de acordo com as informações da imprensa. Portanto, considere a compra de passagens aéreas totalmente reembolsáveis.
  • Avalie quais suprimentos você pode precisar levar consigo. Embora os exemplos de compras por pânico pareçam ter diminuído, a escassez futura de máscaras faciais, desinfetantes para as mãos, sabão, alimentos enlatados e papel higiênico não pode ser descartada e deve ser considerada. Observe que greves e / ou escassez de trabalhadores devido a infecções por COVID-19 podem agravar a situação no seu destino.
  • Confirme a situação mais recente do visto necessário para o seu destino, observando que vários países suspenderam os que já haviam sido emitidos para viagens.
  • Verifique se o seu país de destino exige um atestado médico para provar que você não tem COVID-19
  • Certifique-se de ter itinerários flexíveis e inclua tempo adicional nos aeroportos ao redor do mundo, considerando as medidas de triagem de saúde e os pontos de verificação de temperatura. Isso também se aplica a algumas estações ferroviárias, portos/docas e estações de ônibus de longo percurso.
  • Mantenha-se atualizado sobre qualquer alteração no seu ponto de chegada, levando em conta que determinados países só permitem a entrada de estrangeiros em determinados aeroportos e terminais.
  • Monitore continuamente as fontes locais em busca de notícias sobre qualquer restrição de movimento nas cidades do país que você está visitando.

Pós-Cobertura

  • Monitore continuamente sua saúde e fique atento a sinais de sintomas.
  • Você pode precisar se auto isolar após uma tarefa de alto risco. Verifique as recomendações governamentais relevantes para maior clareza.
  • Dependendo da taxa de infecção no país em que você esteve, considere manter um diário com nomes / números de pessoas com quem você manteve contato próximo nos 14 dias após o seu retorno. Isso ajudará no rastreamento de seus contatos, se você começar a demonstrar sintomas.

Se você apresentar sintomas

  • Se você desenvolver ou tiver sintomas do COVID-19, por mais leves que sejam, informe seus superiores e trabalhe com eles para providenciar o transporte do local final da sua cobertura até a sua casa. Não entre simplesmente em um taxi qualquer.
  • Siga as orientações da OMS, do CDC, ou das autoridades locais de saúde para proteger você e sua comunidade.
  • Não saia de casa por pelo menos 7 dias a partir do início dos sintomas (a quantidade exata de tempo varia de acordo com a orientação do governo do seu país). Isso ajudará a proteger outras pessoas em sua comunidade enquanto você estiver infectado.
  • Planeje com antecedência e solicite ajuda a outras pessoas. Peça ao seu empregador, amigos e familiares que obtenham os suprimentos necessários e os deixem do lado de fora da porta de sua residência.
  • Obedeça à distância recomendada de outras pessoas dentro de casa sempre que possível.
  • Durma sozinho, se possível.
  • Caso compartilhe acomodações com outras pessoas, um período de isolamento deve ser observado por todos. Um guia útil para isso pode ser encontrado aqui. É necessário tomar cuidado especial ao usar o banheiro, lavabo e a cozinha, para evitar contaminação cruzada.
  • Lave as mãos regularmente e com cuidado por pelo menos 20 segundos, usando sabão e água quente.
  • Fique longe de pessoas vulneráveis, como os idosos e as que possuem condições de saúde subjacentes, sempre que possível.
  • Não há necessidade de ligar para as autoridades de saúde do seu país para isolar-se, a menos que seus sintomas piorem visivelmente durante o período de isolamento.

Kit de Segurança on-line do CPJ fornece aos jornalistas e redações informações básicas de segurança sobre recursos e ferramentas de segurança física, digital  e psicológica, incluindo a cobertura de distúrbios civis eleições.

[Nota dos editores: Este comunicado foi publicado originalmente em 10 de fevereiro de 2020 e está sendo frequentemente revisado. A data de publicação na parte superior reflete a atualização mais recente.]