Comunicados de imprensa

Comunicados de imprensa, Equador

Dois jornalistas e motorista sequestrados no Equador perto da fronteira com a Colômbia

A polícia controla o tráfego em uma rua na capital do Equador, Quito, em fevereiro de 2017. Três membros de uma equipe de reportagem foram sequestrados em 26 de março enquanto faziam reportagens na província de Esmeraldas, no norte do país, segundo informações da imprensa. (Reuters/Mariana Bazo)

Nova York, 27 de março de 2018 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) pediu hoje a libertação imediata de três membros de uma equipe de reportagem do jornal El Comercio, sequestrados ontem de manhã no norte do Equador, perto da fronteira colombiana.

março 28, 2018 12:37 PM ET

Também disponível em
English, Español

Comunicados de imprensa, Equador

Equador promete reformar lei da mídia repressiva

País precisa de imprensa livre para a luta de Moreno contra a corrupção

Quito, Equador, 16 de março de 2018 - O governo do Equador se comprometeu, durante reunião na quarta-feira com o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ), em reformar uma opressiva lei de comunicação este ano e convidar especialistas internacionais para visitar o país e analisar o cumprimento dos padrões legais internacionais pelo governo equatoriano.

março 16, 2018 3:22 PM ET

Também disponível em
English, Español

Comunicados de imprensa, Equador

CPJ lidera missão sobre liberdade de imprensa ao Equador

A delegação se reunirá com autoridades do governo e jornalistas locais

Nova York, 9 de março de 2018 - O CPJ vai liderar uma missão de apoio de alto nível que visitará as cidades equatorianas de Guayaquil e Quito, de 12 a 16 de março, para investigar as restrições e ameaças enfrentadas pelos meios de comunicação, reunir-se com jornalistas locais e organizações aliadas, e advogar uma maior liberdade de imprensa às autoridades do governo. Em 16 de março, às 10h30, será realizada uma coletiva de imprensa para analisar as conclusões da missão na sede da organização de liberdade de imprensa Fundamedios, em Quito.

março 12, 2018 11:46 AM ET

Também disponível em
English, Español

Comunicados de imprensa

Há um número recorde de jornalistas presos, segundo o censo do CPJ

A Turquia mantém pelos menos 81 jornalistas na prisão, causando uma alta mundial de 259

Nova York, 13 de dezembro de 2016 - A repressão sem precedentes na Turquia elevou o número de jornalistas presos ao máximo desde que o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) começou a fazer o censo anual, em 1990.

Até 1º de dezembro de 2016, havia 259 jornalistas na prisão ao redor do mundo. A Turquia encarcerou pelos menos 81 jornalistas, de acordo com os registros do CPJ, o maior número comparado com qualquer outro país - e cada um deles é acusado de atividades contra a segurança nacional. Dezenas de outros jornalistas estão presos na Turquia, mas o CPJ não conseguiu confirmar o vínculo direto com o trabalho jornalístico deles.

A China, que foi o país que mais encarcerou jornalistas em 2014 e 2015, caiu para o segundo lugar com 38 jornalistas presos. Egito, Eritréia e Etiópia estão em terceiro, quarto e quinto lugares como piores carcereiros de jornalistas, respectivamente. Combinados, esses cinco países, no censo do CPJ, foram responsáveis pela prisão de mais de dois terços de todos os jornalistas aprisionados no mundo inteiro.

"Os jornalistas que trabalham para reunir e divulgar informações realizam um serviço público e seus direitos são protegidos pelo direito internacional. É lamentável, portanto, que tantos governos estejam violando seus compromissos internacionais, ao prender jornalistas e restringir o discurso crítico ", disse o diretor-executivo do CPJ, Joel Simon". A Turquia está na vanguarda dessa tendência autoritária. A cada dia que os jornalistas turcos definham na prisão, violando as próprias leis do país, diminui o padrão da Turquia no mundo ".

dezembro 13, 2016 12:01 AM ET

Comunicados de imprensa

Grupos extremistas ficam impunes no assassinato de jornalistas

Somália, Iraque e Síria encabeçam o Índice Global de Impunidade do CPJ de 2016

Nova York, 27 de outubro de 2016 -- Algumas das mais altas taxas de impunidade nos assassinatos de jornalistas podem ser atribuídas a homicídios cometidos por grupos militantes islâmicos, estabeleceu o Comitê para Proteção dos Jornalistas (CPJ) em seu mais recente Índice anual Global de Impunidade, divulgado hoje.

No topo da lista, que destaca os países onde os jornalistas são assassinados e os responsáveis ficam impunes estão Somália, Iraque e Síria, onde organizações extremistas como o grupo Estado Islâmico e o Al-Shabaab têm repetidamente tido jornalistas como alvo de assassinatos. Afeganistão, Bangladesh, Nigéria e Paquistão também aparecem no índice, pelo segundo ano consecutivo.

Autoridades locais e grupos criminosos também assassinam jornalistas impunemente em represália por seu trabalho, em países do índice, como o Brasil, México, Filipinas e Rússia.

outubro 27, 2016 7:45 AM ET

Comunicados de imprensa

CPJ Comemora Mecanismo de Denúncia de Liberdade de Imprensa

Nova York, 03 de agosto de 2016 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) comemora a criação, pelo Comitê Olímpico, de um mecanismo de denúncia de violações à liberdade de imprensa que permitirá aos jornalistas que cobrirão a organização e execução dos Jogos Olímpicos denunciar violações da liberdade de imprensa. Milhares de jornalistas estão se concentrando no Rio de Janeiro antes da abertura dos Jogos Olímpicos de 2016, nesta sexta-feira.

agosto 3, 2016 12:59 PM ET

Também disponível em
English, Português, Français

Mídias sociais

Ver tudo »