Relatórios

2015

Relatórios

Síria e França, os países mais letais para a imprensa

De 69 jornalistas mortos em virtude de seu trabalho em 2015, 40 por cento morreram nas mãos de grupos militantes islâmicos como a Al-Qaeda e o Estado Islâmico. Mais de dois terços do total de mortos foram escolhidos para serem assassinados. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

Os cartunistas Renald Luzier, à esquerda, e Patrick Pelloux em uma marcha de solidariedade em Paris por seus colegas mortos no ataque a revista satírica Charlie Hebdo. Em 2015, 28 jornalistas foram mortos por militantes islâmicos. (AFP / Eric Feferberg)

dezembro 29, 2015 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Español, Русский, العربية, Türkçe, Français

Relatórios

China, Egito aprisionam um número recorde de jornalistas

O Egito é superado apenas pela China como o pior carcereiro do mundo de jornalistas em 2015. Em todo o mundo, o número de jornalistas atrás das grades por seu trabalho diminuiu moderadamente durante o ano, mas um punhado de países continua a usar a prisão sistemática para silenciar as críticas. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

O fotojornalista egípcio conhecido como Shawkan aparece perante um tribunal no Cairo em maio de 2015 pela primeira vez depois de mais de 600 dias de prisão. Um número recorde de jornalistas está preso no Egito em 2015. (AP / Lobna Tarek)

dezembro 15, 2015 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Русский, العربية, Français, Español, Türkçe

Relatórios

Crime sem Castigo

Amigos e colegas de Rubén Espinosa seguram câmeras no funeral do fotojornalista assassinado no México. Classificação do índice de impunidade no país quase dobrou desde 2008. (AFP / Alfredo Estrella)

O Índice Global de Impunidade 2015 do CPJ enfoca países onde jornalistas são assassinados e os responsáveis ficam livres

outubro 8, 2015 12:01 PM ET

Também disponível em
English, Русский, Français, Español, العربية

Relatórios

Traçando Limites : cartunistas sob ameaça

Em 7 de janeiro, dois homens armados invadiram a sede da revista satírica francesa Charlie Hebdo, matando oito jornalistas e colocando em evidência os riscos que correm os cartunistas. Mas como seu trabalho transcende fronteiras e idiomas, e para simplificar situações políticas complexas, as ameaças sofridas por cartunistas pelo mundo, encarcerados, obrigados a se esconderem, ameaçados com processos jurídicos ou mortos, ultrapassam em muito o extremismo islâmico. Um relatório especial do Comitê para a Proteção dos Jornalistas por Shawn W. Crispin

maio 19, 2015 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Español, العربية, Français

« 2014 | 2016 »