Notícias   |   México

Cinegrafista mexicano morto em Quintana Roo

Também disponível em English, Español

Um membro da imprensa pendura fotos de colegas durante um protesto contra o assassinato ou desaparecimento de jornalistas no México em frente ao Palácio Nacional na Cidade do México em 1º de junho de 2018. O cinegrafista mexicano Javier Enrique Rodríguez Valladares foi morto em Cancun, no sul do país, no estado de Quintana Roo, em 29 de agosto. (AFP/Yuri Cortez)

Cidade do México, 30 de agosto de 2018 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) insta as autoridades mexicanas a empreender uma investigação imediata e confiável sobre o assassinato de Javier Enrique Rodríguez Valladares, cinegrafista de uma emissora de televisão sediada em Cancun, no sul do país, estado de Quintana Roo. Rodríguez Valladares foi baleado por desconhecidos por volta das 18h00, em 29 de agosto, de acordo com reportagens.

Rodríguez Valladares, 28 anos, trabalhou como operador de câmera no Canal 10, uma emissora local que cobre notícias gerais na área de Cancun. Em um vídeo postado na página do Facebook do El Balcón, um site local de notícias, Germán Espiridión, colega de Rodríguez Valladares, disse que o repórter já havia trabalhado para a emissora nacional Televisa e que também comprava e vendia carros.

"O assassinato de Javier Enrique Rodríguez Valladares perpetua uma série de ataques fatais contra jornalistas este ano em Quintana Roo, um estado que até recentemente não era um dos lugares mais perigosos para jornalistas no México", disse Jan-Albert Hootsen, representante do CPJ no México. "As autoridades federais e estaduais de Quintana Roo devem tomar medidas urgentes para garantir a segurança dos repórteres na região e suspender essa tendência alarmante".

O homicídio de Rodríguez Valladares é a terceira ofensiva letal contra um jornalista em Quintana Roo em pouco mais de dois meses. Em 24 de julho, Rubén Pat Cauich, cofundador e diretor editorial do jornal online Semanario Playa News, foi morto a tiros em Playa del Carmen, uma cidade turística ao sul de Cancún. Outro repórter do jornal Playa News, José Guadalupe Chan Dzib, foi assassinado em 29 de junho na cidade de Sabán. Nenhum suspeito foi preso em nenhum dos casos.

De acordo com um comunicado divulgado pela Procuradoria-geral do estado em 29 de agosto, o ataque a Rodríguez Valladares ocorreu na Supermanzana 29, uma área residencial em Cancun, cidade popular entre os turistas estrangeiros. Rodríguez Valladares estava com outro homem que também foi morto e cuja identidade não foi divulgada pela Procuradoria-geral. Segundo a declaração, não está claro quantas pessoas estiveram envolvidas na agressão.

O gabinete do procurador-geral do estado disse que o cinegrafista estava de folga no momento do ataque e não estava usando roupas da empresa, e que, portanto, no momento não acredita que Rodríguez Valladares tenha sido morto por causa de seu trabalho como jornalista. Acrescentou, no entanto, que ainda não descartou nenhum possível motivo.

Um repórter de Cancun, que pediu anonimato por razões de segurança, disse hoje ao CPJ que Rodríguez Valladares aparentemente estava vendendo um carro para a segunda vítima do ataque, e que era possível que o cinegrafista tenha sido morto por estar no local.

O repórter disse ao CPJ que Rodríguez Valladares cobria notícias gerais para o Canal 10, e que era bem conhecido e querido por seus colegas na cidade, uma declaração ecoada por Germán Espiridión do El Balcón no vídeo que ele postou no Facebook. O CPJ não conseguiu localizar trabalhos recentes no site do Canal 10 que tenha sido creditado a Rodríguez Valladares.

O Canal 10 foi vítima de violência antes. Em 24 de outubro de 2017, agressores desconhecidos dispararam contra as instalações da emissora de televisão em Cancun, ferindo um funcionário. Nenhum suspeito do ataque foi preso e o motivo por trás do ataque ainda não foi esclarecido. O CPJ entrou em contato com os executivos da estação para comentários via mensagem de WhatsApp hoje, mas não recebeu prontamente uma resposta.

Um porta-voz do Mecanismo Federal para a Proteção dos Defensores dos Direitos Humanos e Jornalistas, que opera sob os auspícios da Secretaria do Interior federal do México, disse hoje ao CPJ, sob a condição de anonimato, que o Canal 10 não está matriculado em um programa de proteção federal. Ele acrescentou que a instituição não tinha conhecimento de quaisquer ameaças relatadas contra Rodríguez Valladares.

Um pedido de comentários do CPJ para o Procurador-geral do estado de Quintana Roo, Miguel Ángel Pech Cen, ainda não foi atendido. Ricardo Sánchez Pérez del Pozo, que dirige o gabinete do Procurador Federal para Crimes Cometidos contra a Liberdade de Expressão (FEADLE), disse hoje ao CPJ que havia aberto uma investigação sobre o assassinato.

O México é o país mais letal para jornalistas no hemisfério ocidental, segundo a pesquisa do CPJ. Rodríguez Valladares foi ao menos o oitavo repórter morto no país este ano. O CPJ determinou que pelo menos três dos jornalistas mortos em 2018 foram alvo de represálias diretas por seu trabalho.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho