Comunicados de imprensa, Equador

Etapas positivas no Equador sob o novo presidente, mas imprensa continua cautelosa

Também disponível em English, Español

Quito, 12 de julho de 2018 - O governo do presidente Lenín Moreno divergiu drasticamente do de seu antecessor, Rafael Correa, inclusive prometendo reduzir a lei restritiva do Equador, mas a imprensa do país continua cautelosa enquanto aguarda a mudança, concluiu o Comitê para a Proteção dos Jornalistas em seu relatório, "Um giro de 180graus: Moreno dirige o Equador para longe da repressão da mídia empreendida por Correa", divulgado hoje.

O governo Moreno fez incursões positivas, inclusive inibindo o órgão regulatório Supercom, trabalhando para melhorar as relações com a imprensa, encorajando o jornalismo investigativo e prometendo reformar a repressiva Lei de Comunicações, segundo o relatório do CPJ. Numerosos jornalistas no Equador descreveram um momento de lua-de-mel entre o governo de Moreno e a mídia, mas disseram que permanecem cautelosos depois de um longo período sob Correa, cujas políticas criaram confusão editorial e financeira para as organizações de notícias independentes.

"Os jornalistas do Equador passaram uma década lutando contra um dos ambientes midiáticos mais repressivos da América Latina sob o governo do ex-presidente Rafael Correa", disse Natalie Southwick, coordenadora do programa das Américas Central e do Sul do CPJ. "Sob o presidente Lenín Moreno, a retórica em relação à mídia no país mudou drasticamente, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido para reconstruir uma imprensa verdadeiramente livre. As autoridades devem mostrar que não são apenas promessas vazias e tomar medidas concretas para reformar as duras leis de mídia do Equador e criar um ambiente em que os jornalistas vivam e trabalhem sem temor de sofrer represálias."

O relatório, escrito por Southwick e pelo correspondente do CPJ nos Andes, John Otis, inclui recomendações às autoridades equatorianas e ao Twitter.

Para marcar o lançamento do relatório, o CPJ organizou conjuntamente uma conferência de imprensa em Quito com o grupo local da sociedade civil Fundamedios e reuniu-se com membros da Assembleia Nacional e uma delegação da UE. Também está programado que o CPJ se reúna com funcionários da embaixada dos EUA.

Nota aos Editores:

O "El giro de 180 grados: Moreno aleja a Ecuador del camino de la represión de los medios emprendido por Correa" está disponível no site do CPJ em inglês e espanhol. Para informações à imprensa, envie um e-mail para [email protected]

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho