Notícias   |   Brasil

Jornalista brasileiro Romário Barros é baleado e morto em Maricá

Também disponível em English

Policiais caminham em frente ao departamento de homicídios no Rio de Janeiro, Brasil, em 13 de março de 2019. O jornalista Romário Barros foi morto recentemente em Maricá, no estado do Rio de Janeiro. (Reuters / Lucas Landau)

São Paulo, 20 de junho de 2019 - As autoridades da cidade de Maricá, no estado do Rio de Janeiro, devem investigar minuciosamente o assassinato do jornalista Romário Barros e determinar se o ataque está vinculado ao seu jornalismo, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

No dia 18 de junho, por volta das 19 horas, um homem mascarado atirou em Barros, proprietário e repórter do site de notícias locais Lei Seca Maricá, pelo menos três vezes antes de entrar em um carro e ir embora, segundo o jornal O Globo. Barros morreu no local, segundo o diário.

Nenhum dos pertences de Barros foi levado, e uma reportagem do jornal O Dia informou que a polícia acredita que a morte foi encomendada.

A polícia do estado do Rio de Janeiro divulgou uma declaração, examinada pelo CPJ, dizendo ter aberto uma investigação sobre o assassinato. A polícia não respondeu a telefonemas nem às perguntas adicionais enviadas por e-mail pelo CPJ.

O assassinato acontece 24 dias depois que Robson Giorno, dono do site de notícias Jornal O Maricá, foi morto na mesma cidade, como informou o CPJ na ocasião. O CPJ não determinou se o assassinato de Giorno está relacionado ao seu trabalho. A polícia não anunciou prisões em nenhum dos casos.

"A morte de dois jornalistas em menos de um mês em Maricá é escandalosa, e certamente terá um efeito inibidor em outros repórteres locais se as autoridades não tomarem as medidas apropriadas", disse Natalie Southwick, coordenadora do Programa das Américas Central e do Sul do CPJ, na Cidade do México. "As autoridades devem investigar se o assassinato de Romário Barrio está relacionado a suas reportagens e tomar providências céleres para levar os responsáveis ​​à justiça."

O repórter de 31 anos fundou o Lei Seca Maricá em 2010, disse Paulo de Almeida Celestino, presidente da Associação de Imprensa de Maricá, da qual Barros foi membro fundador. O site cobre crime local, transporte, cultura e notícias políticas.

"Ele morava lá na delegacia de polícia. Eles eram parceiros; quando eles saíam em uma batida, ligavam para ele e diziam: 'Vamos prender alguém, você pode vir junto'", contou Marcelo Bessa, jornalista local e amigo de Barros, ao CPJ por telefone. "E assim, ele sempre foi o primeiro na cena do crime."

"Ele dizia o que tinha a dizer e isso enfurecia algumas pessoas, mas não ficava com medo", disse Celestino ao CPJ. Ele disse que Barros nunca mencionou receber ameaças.

A pesquisa do CPJ mostra que a violência letal no Brasil atinge os jornalistas de cidades menores ou do interior com mais frequência do que seus colegas nos principais centros urbanos.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho