Afeganistão, Brasil, Estados Unidos, México

Quase o dobro de jornalistas assassinados em represália por seu trabalho eleva o número de jornalistas mortos

O jornalista saudita Jamal Khashoggi fala em um evento organizado pelo Middle East Monitor [Monitor do Oriente Médio] em Londres, em 29 de setembro de 2018. Ele foi morto no consulado saudita em Istambul, na Turquia, em 2 de outubro. (Middle East Monitor/Handout via Reuters)

Jornalistas da Arábia Saudita ao Afeganistão e aos EUA foram alvo de assassinato em 2018 em represália por seu trabalho, elevando o total de jornalistas mortos em serviço para a mais alta cifra em três anos. O número de jornalistas mortos em conflitos caiu para o nível mais baixo desde 2011. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

Publicado em 19 de dezembro de 2018

NOVA YORK

O número de jornalistas alvo de assassinatos em represália por suas reportagens quase dobrou em 2018 em relação ao ano anterior, elevando a contagem geral de jornalistas mortos no exercício do trabalho. O Afeganistão, onde extremistas intensificaram os ataques deliberados contra jornalistas, foi o país mais mortífero e responsável por grande parte do aumento.

Pelo menos 53 jornalistas foram mortos em todo o mundo entre 1º de janeiro e 14 de dezembro de 2018, dos quais pelo menos 34 foram alvo específicos de assassinato. O CPJ rastreia três tipos de mortes de jornalistas no trabalho: assassinatos por retaliação; mortes em combate ou fogo cruzado (11 neste ano, a menor cifra desde 2011); e mortes em outras missões perigosas, como cobrir protestos que se tornam violentos (oito este ano).

O total é um aumento de 47 mortos em todo o ano passado, dos quais 18 foram alvo de assassinato. Um total de 50 foram mortos em 2016.

O recente aumento nos assassinatos segue dois anos de declínio, mas ocorre quando a prisão de jornalistas atinge uma alta sustentada - somando-se a uma profunda crise global de liberdade de imprensa. O contexto para a crise é variado e complexo, e intimamente ligado a mudanças na tecnologia que permitiram que mais pessoas pratiquem o jornalismo, ao mesmo tempo em que tornou os jornalistas dispensáveis ​​para os grupos políticos e criminosos que antes precisavam da mídia para espalhar sua mensagem.

Outro fator significativo é a falta de liderança internacional sobre os direitos e a segurança dos jornalistas.

O caso mais ilustrativo é o assassinato descarado do colunista Jamal Khashoggi, do Washington Post, no consulado da Arábia Saudita em Istambul, em outubro, por agentes sauditas. Khashoggi, que vivia em exílio autoimposto nos EUA, criticou fortemente o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman. O chefe de Estado que se tornou a voz mais contundente no caso de Khashoggi foi o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, cujo governo efetivamente acabou com a mídia independente e está prendendo mais jornalistas do que qualquer outro em todo o mundo pelo terceiro ano consecutivo.

A Casa Branca, tradicionalmente uma forte defensora da liberdade de imprensa global, se equivocou sobre a culpa pelo assassinato de Khashoggi, apesar das conclusões da CIA, segundo o Post, de que apenas o príncipe herdeiro poderia ter ordenado tal operação. No que foi divulgado como sua declaração definitiva sobre o caso, em 20 de novembro o presidente Donald Trump disse - referindo-se ao suposto papel do príncipe herdeiro - "talvez ele tenha feito isso e talvez não!" e que "em qualquer caso", os EUA "pretendem permanecer um parceiro firme da Arábia Saudita", citando aquisições sauditas de equipamento militar e uma oposição conjunta ao Irã. Essencialmente, Trump sinalizou que os países que fazem negócios consideráveis com os Estados Unidos estão livres para assassinar jornalistas sem consequências.

O jornal Capital Gazette exibe a primeira página do dia 29 de junho de 2018, um dia após um homem matar cinco pessoas na redação do jornal. (AP Photo/Patrick Semansky)

Khashoggi viveu na Virgínia, um dos dois estados norte-americanos que faz fronteira com Washington D.C. O outro estado, Maryland, foi em 28 de junho o local do mais fatal ataque à mídia na recente história dos EUA. Um atirador entrou na redação do Capital Gazette, na cidade de Annapolis, e matou a tiros quatro jornalistas e um contato de vendas. O suposto assassino, Jarrod Ramos, emitiu repetidas ameaças ao jornal depois de perder um processo de difamação que moveu contra o diário em 2012. Ramos enfrenta cinco acusações de assassinato em primeiro grau e outras acusações, e está deve ir a julgamento em 3 de junho de 2019, de acordo com o Capital Gazette. No dia seguinte ao massacre, Trump disse aos repórteres: "Jornalistas, como todos os americanos, deveriam estar livres do medo de serem violentamente atacados enquanto fazem seu trabalho." Mas em poucos dias, ele retomou seus ataques característicos à imprensa, chamando a mídia de "notícias falsas" e jornalistas de "inimigos do povo" nas mídias sociais e em reuniões públicas.

Os ataques de Trump surgiram enquanto a União Europeia enfrenta sua própria crise de segurança dos jornalistas. Ján Kuciak, repórter investigativo de 27 anos que pesquisava sobre a corrupção na Eslováquia, e que foi morto a tiros com sua noiva em fevereiro, foi o segundo jornalista assassinado por seu trabalho no bloco depois que Daphne Caruana Galizia, de Malta, foi morta por uma bomba colocada em seu carro, em outubro de 2017. (Outra jornalista da UE, Viktoria Marinova, foi estuprada, espancada e estrangulada até a morte em sua terra natal, Bulgária, em 6 de outubro deste ano. O governo declarou que o crime não está relacionado ao seu trabalho, mas o CPJ ainda está investigando o motivo.)

O assassinato de Caruana Galizia e o de Kuciak continuam sem solução - um estado de impunidade que, segundo a pesquisa do CPJ, inevitavelmente perpetua mais violência. Este ciclo também é ilustrado por pelo menos quatro assassinatos de jornalistas no México este ano e dois no Brasil.

Na verdade, o país mais letal para jornalistas em 2018, o Afeganistão, é um dos pilares do Índice Global de Impunidade do CPJ, que destaca os lugares onde os jornalistas são regularmente assassinados e seus assassinos ficam livres. Os 13 jornalistas mortos no Afeganistão em 2018 representam o maior número registrado em qualquer ano desde que o CPJ começou a acompanhar os dados - incluindo 2001, quando os EUA atacaram o país e nove jornalistas foram mortos.

Uma vigília para 10 jornalistas afegãos que foram mortos em um atentado suicida em 30 de abril de 2018. (AFP/Diptendu Dutta)

Nos últimos anos, extremistas lançaram grandes bombardeios no Afeganistão, e depois detonaram uma segunda explosão com o aparente objetivo de matar jornalistas e primeiros socorristas. Em 30 de abril de 2018, um desses dois ataques suicidas reivindicados pelo grupo militante Estado Islâmico matou nove jornalistas. Em uma manobra especialmente cínica, o agressor se disfarçou como um trabalhador de mídia e detonou seus explosivos em meio a um grupo de repórteres que corriam para o local da primeira explosão. Entre as vítimas: Abadullah Hananzai, 26 anos, repórter da Rádio Azadi, financiada pelos EUA, no serviço afegão da Rádio Europa Livre / Rádio Liberdade (RFE / RL), que recentemente cobria o vício de drogas e as tentativas do Ministério do Interior de reprimir narcóticos. tráfico fora do Afeganistão, e que estava prestes a comemorar seu primeiro aniversário de casamento, de acordo com RFE / RL. O último post público de Hananzai no Facebook foi uma homenagem a um ex-colega que havia sido morto a balas por atiradores desconhecidos na semana anterior.

Jornalistas continuam morrendo em outros países devastados pela guerra, coma Síria e o Iêmen, mas o número de jornalistas mortos em combate ou pelo fogo cruzado caiu para o menor nível desde 2011, quando o acesso dos jornalistas diminuiu ou os riscos se tornaram graves demais para suportar, levando-os à autocensura, ao exílio ou ao abandono do trabalho. Na Síria, pelo menos nove jornalistas foram mortos em 2017 e 2018, em comparação com um máximo de 31 em 2012. No Iêmen, três jornalistas foram mortos em 2018 e no Iraque o CPJ não confirmou nenhum jornalista morto pelo exercício profissional pela primeira vez desde 2012. Em outros lugares no Oriente Médio, dois jornalistas palestinos foram baleados e mortos por soldados israelenses enquanto cobriam protestos na faixa de Gaza.

O CPJ está investigando a morte de outros 23 jornalistas em 2018, mas até agora não foi possível confirmar que o motivo foi o exercício do jornalismo nesses casos. Estes incluem outro caso nos EUA, o de Zachary Stoner, um blogueiro independente que escrevia sobre vídeos musicais, que foi assassinado a tiros em junho, em Chicago.

Outras constatações da pesquisa do CPJ:

  • Sete trabalhadores da mídia foram mortos em 2018, incluindo dois no Afeganistão e dois no Iêmen.
  • Três mulheres foram mortas, em comparação a oito no ano passado. Historicamente, cerca de 7% dos jornalistas mortos são mulheres.
  • Cinco jornalistas estrangeiros foram mortos durante o ano: dois equatorianos foram assassinados na Colômbia (junto com seu motorista) e três russos foram mortos em circunstâncias misteriosas na República Centro-Africana.
  • Grupos políticos, que incluem extremistas como o Estado Islâmico, foram os suspeitos mais frequentes, em 53 por cento dos casos.
  • A política foi o assunto mais perigoso, coberto por 62 por cento dos jornalistas mortos.
  • Repórter de rádio e de TV foi o trabalho mais perigoso.

O CPJ começou a compilar registros detalhados de todas as mortes de jornalistas em 1992. Os membros da equipe do CPJ investigam e verificam de forma independente as circunstâncias por trás de cada morte. O CPJ considera um caso relacionado ao trabalho apenas quando sua equipe tem razoável certeza de que um jornalista foi morto em represália direta por seu exercício profissional; em fogo cruzado relacionado a combate; ou durante a execução de uma tarefa perigosa, como cobrir um protesto que se torna violento.

Se os motivos de um assassinato não são claros, mas é possível que um jornalista tenha morrido em relação ao seu trabalho, o CPJ classifica o caso como "não confirmado" e continua investigando.

A lista do CPJ não inclui jornalistas que morreram de doenças, em acidentes de carro ou de avião, a menos que o acidente tenha sido causado por ação hostil. Outras organizações de imprensa, que usam critérios diferentes, citam diferentes números de mortes.

O banco de dados de jornalistas mortos em 2018 do CPJ inclui um breve informativo sobre cada vítima e filtros para examinar as tendências nos dados. O CPJ mantém um banco de dados de todos os jornalistas mortos desde 1992, e daqueles que desapareceram ou estão presos por seu trabalho.

Elana Beiser é diretora editorial do Comitê para a Proteção dos Jornalistas. Anteriormente, trabalhou como editora da Dow Jones Newswires e do The Wall Street Journal em Nova York, Londres, Bruxelas, Cingapura e Hong Kong.

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho