Blog   |   Colombia

Ameaça de morte deixa o cartunista colombiano Matador offline

Também disponível em English, Español

O cartunista do El Tiempo, conhecido como Matador, diz que decidiu parar de publicar seu trabalho nas redes sociais depois de receber uma ameaça de morte. (María Fernanda Barberi)

Por John Otis / Correspondente do CPJ Andes

Durante seus 15 anos de carreira satirizando figuras públicas, o cartunista editorial mais conhecido da Colômbia fez numerosos inimigos. Seus desenhos para o jornal El Tiempo de Bogotá, Julio César González, mais conhecido por seu pseudônimo, Matador, é dirigido a políticos de todos os tipos.

Mas ele frequentemente se concentra em Álvaro Uribe, senador popular e ex-presidente. Ele retrata o direitista Uribe como um homem forte de duas caras, um sabotador do processo de paz da Colômbia que encerrou uma longa guerra de guerrilha em 2016, e um Titeriteiro [pessoa que manipula marionetes] político planejando colocar um de seus aliados ideológicos na presidência.

Em resposta, os partidários de Uribe utilizaram insultos em discursos e nas redes sociais, tentaram tomar medidas judiciais para fazer com que o cartunista se desculpasse por seu trabalho - um juiz descartou o caso no início deste ano - e, em um caso mais recente e preocupante, pediu que o jornalista fosse assassinado.

Desenho de o Matador sobre as tentativas de um tribunal de forçar uma revista a revelar suas fontes. Uma figura, empunhando um porrete estampado com as palavras 'revelar as fontes', diz: 'Amor, faço isso porque te amo'. (Matador)

A ameaça veio no mês passado, quando Ariel Ortega Martínez, um agente de viagens colombiano e apoiador de Uribe, lamentou no Twitter a morte de um líder paramilitar de um esquadrão da morte em 2004 e sugeriu que se o assassino ainda estivesse por perto ele poderia ser usado para silenciar o Matador, segundo as reportagens. As autoridades colombianas, assim como Uribe e seu partido, de onde Ortega foi posteriormente expulso, denunciaram imediatamente a ameaça de morte. A Unidade Nacional de Proteção do governo também forneceu ao cartunista guarda-costas, um veículo blindado e um colete à prova de balas.

Em resposta à ameaça, o Matador anunciou que, até nova indicação, deixará de usar as redes sociais ou postará seus desenhos na internet, onde acredita que a maioria das pessoas os vê. Eles ainda estão sendo publicados no El Tiempo e em seu site.

O Matador conversou recentemente com o CPJ sobre sua terrível experiência.

[A entrevista foi editada por questões de espaço e clareza.]

Você já foi ameaçado antes por seus desenhos animados?

Nunca. Mas muitas vezes recebo insultos.

Quando comecei minha carreira no jornal da minha cidade natal, Pereira, fiz um cartum referente aos escândalos de pedofilia na Igreja Católica. No meu desenho, um rapaz confessa a um padre que é gay. Em resposta, ouve que deve recitar 10 orações e dar ao padre seu número de telefone. No dia seguinte, as autoridades da igreja me chamaram de "diabo".

Mas insultos vêm com o território, especialmente agora que a mídia social é tão importante. Meus desenhos animados enviam mensagens e discutem pontos políticos. Quando as pessoas não podem sustentar seus próprios argumentos, elas recorrem a ataques pessoais. Isso está ok. Mas uma ameaça de morte leva as coisas para outro nível. E é um risco que não quero aceitar porque neste país, quando matam jornalistas, nada acontece.

[NOTA DO EDITOR: Pelo menos 37 dos 44 jornalistas assassinados em retaliação direta ao seu trabalho na Colômbia desde 1992 foram mortos com impunidade, segundo a pesquisa do CPJ.]

As ameaças e insultos afetam a maneira como você trabalha?

Sinto que tenho uma pistola apontada para mim quando desenho. Eu tento não deixar isso me afetar. Mas você não pode ignorar sua cabeça e seu coração. Eu tento ter um senso de humor sobre isso, no entanto, isso tem sido muito difícil, especialmente para a minha família. Mesmo que eu esteja fora das redes sociais, ainda recebo mensagens desagradáveis.

Por que você concentra muitos de seus desenhos em Uribe?

Por causa dos meus desenhos, as pessoas acham que eu odeio o Uribe. Mas isso não tem nada a ver com isso. Eu uso humor para explorar questões muito difíceis. Concentro-me nos políticos nacionais que têm mais poder e eles incluem Uribe. Ele é um grande comunicador e alcança as massas com suas mensagens. Mas meus desenhos revelam que muito do que ele diz é falso ou que manipula a verdade. Isso é o que os desenhos animados deveriam fazer.

Por que você está ficando fora da mídia social?

Eu desenho cerca de 100 cartuns por mês. Metade deles são impressos no El Tiempo e a outra metade eu divulgo nas redes sociais. Então, agora, o público só verá metade do meu trabalho. Mas era hora de tomar alguma atitude. A mídia social é um reflexo de quem somos como sociedade e é cheia de mentiras, ataques e veneno. É uma torre de Babel. Então eu pensei que seria bom dar uma parada.

O que fez você decidir continuar trabalhando como cartunista depois de receber essa ameaça?

Porque ainda tenho que ganhar a vida.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho