DECLARAÇÕES, México

Fotógrafo local raptado de sua casa no centro do México

Também disponível em English, Español

Um grupo de jornalistas protesta fora do Palácio Nacional na Cidade do México, México em 28 de junho de 2017. No chão está escrito "S. O. S Press". Homens armados, vestidos como policiais, sequestraram o jornalista mexicano Edgar Daniel Esqueda Castro nesta manhã. (Reuters/Carlos Jasso)

Nova York, 5 de outubro de 2017 - Homens armados vestidos como policiais sequestraram nesta manhã o fotógrafo local Edgar Daniel Esqueda Castro de sua casa, no estado mexicano de San Luis Potosí, segundo informações da imprensa. O procurador-geral do estado disse em uma declaração que o Ministério Público está investigando e negou que a polícia estadual estivesse envolvida no sequestro.

"As autoridades do estado de San Luis Potosí e as autoridades federais mexicanas devem encontrar Edgar Daniel Esqueda Castro o mais rápido possível e salvá-lo", disse Alexandra Ellerbeck, coordenadora do programa do CPJ para a América do Norte. "O México é um dos países mais perigosos do mundo para os jornalistas. Se o governo mexicano está tão comprometido com a liberdade de imprensa como afirma estar, deve prevenir futuros sequestros e assassinatos".

Esqueda Castro cobre criminalidade e sociedade, e contribuiu com notícias locais para os meios de comunicação Metropoli San Luis e Vox Populi.

O México é o país mais letal para os jornalistas no Hemisfério Ocidental. Em 2017, pelo menos quatro jornalistas foram assassinados em retaliação direta por seu trabalho, e o CPJ está investigando as circunstâncias do homicídio de outros dois jornalistas, segundo a pesquisa do CPJ. O CPJ documentou o desaparecimento de 14 jornalistas no México, sem incluir o de Esqueda Castro. Em maio, o jornalista Salvador Adame Pardo foi sequestrado de sua casa no estado mexicano de Michoacán.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho