Comunicados de imprensa

Há um número recorde de jornalistas presos, segundo o censo do CPJ

A Turquia mantém pelos menos 81 jornalistas na prisão, causando uma alta mundial de 259

Nova York, 13 de dezembro de 2016 - A repressão sem precedentes na Turquia elevou o número de jornalistas presos ao máximo desde que o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) começou a fazer o censo anual, em 1990.

Até 1º de dezembro de 2016, havia 259 jornalistas na prisão ao redor do mundo. A Turquia encarcerou pelos menos 81 jornalistas, de acordo com os registros do CPJ, o maior número comparado com qualquer outro país - e cada um deles é acusado de atividades contra a segurança nacional. Dezenas de outros jornalistas estão presos na Turquia, mas o CPJ não conseguiu confirmar o vínculo direto com o trabalho jornalístico deles.

A China, que foi o país que mais encarcerou jornalistas em 2014 e 2015, caiu para o segundo lugar com 38 jornalistas presos. Egito, Eritréia e Etiópia estão em terceiro, quarto e quinto lugares como piores carcereiros de jornalistas, respectivamente. Combinados, esses cinco países, no censo do CPJ, foram responsáveis pela prisão de mais de dois terços de todos os jornalistas aprisionados no mundo inteiro.

"Os jornalistas que trabalham para reunir e divulgar informações realizam um serviço público e seus direitos são protegidos pelo direito internacional. É lamentável, portanto, que tantos governos estejam violando seus compromissos internacionais, ao prender jornalistas e restringir o discurso crítico ", disse o diretor-executivo do CPJ, Joel Simon". A Turquia está na vanguarda dessa tendência autoritária. A cada dia que os jornalistas turcos definham na prisão, violando as próprias leis do país, diminui o padrão da Turquia no mundo ".

Este ano é a primeira vez desde 2008 que o Irã não está entre os cinco piores carcereiros, já que muitos dos condenados na repressão pós-eleitoral de 2009 cumpriram suas penas e foram libertados. A região das Américas, que não teve jornalistas presos em 2015, aparece no censo deste ano com um total de quatro jornalistas na prisão.

De acordo com o censo do CPJ, quase três quartos dos 259 jornalistas presos no mundo são acusados de atividades contra a segurança nacional. Cerca de 20 por cento dos jornalistas na prisão são freelancers - uma percentagem que vem diminuindo desde 2011. A grande maioria dos jornalistas na prisão trabalhava on-line e / ou na imprensa escrita, enquanto cerca de 14 por cento são jornalistas da mídia audiovisual.

O censo da prisão conta apenas com jornalistas sob custódia do governo e não inclui os que desapareceram ou foram presos por grupos não estatais. (Esses casos - como o do jornalista britânico freelance John Cantlie, detido pelo grupo militante Estado Islâmico - são classificados como "desaparecidos" ou "sequestrados".) O CPJ calcula que pelo menos 40 jornalistas estejam desaparecidos ou tenham sido sequestrados no Oriente Médio e no Norte da África.

O censo cataloga jornalistas encarcerados até a meia-noite de 1º de dezembro de 2016, e indica o país onde estão presos, a acusação, e tipo de trabalho relativo a cada jornalista preso. Não inclui os muitos jornalistas que foram aprisionados durante o ano, mas liberados antes de 1º de dezembro.

###

O CPJ é uma organização independente sem fins lucrativos que promove a defesa da liberdade de imprensa em todo o mundo.

Nota aos Redatores:

O relatório estará disponível em árabe, chinês, inglês, francês, português, russo, espanhol e turco.

Contatos com a Mídia:

Kerry Paterson

Oficial Sênior de Advocacia e Comunicação

[email protected]

212-300-9007


Mehdi Rahmati

Colaboradora de Comunicações

[email protected]

212-300-9032

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho