Colombia, DECLARAÇÕES

Dois jornalistas desaparecem na Colômbia enquanto cobriam história de repórter desaparecia

Também disponível em English, Español

Bogotá, Colômbia, 24 de maio de 2016-- Dois jornalistas de TV colombiana podem ter sido sequestrados na perigosa região de Catatumbo no nordeste da Colômbia, disse hoje seu empregador. O repórter Diego D'Pablos e o operador de câmera Carlos Melo, da estação de televisão RCN de Bogotá, estavam investigando o desaparecimento de Salud Hernández-Mora, uma jornalista hispano-colombiana que foi vista pela última vez no sábado.

Em uma declaração, a RCN afirmou que havia perdido contato com D'Pablos e Melo na segunda-feira e que ambos poderiam ter sido sequestrados depois de sair para El Tarra horas antes, no mesmo dia. O povoado se encontra em uma região que abriga duas organizações guerrilheiras e grupos de narcotraficantes. A região também tem uma má recepção de celular. Um jornalista que declarou ter sido detido brevemente pela guerrilha na mesma região, disse que seus captores afirmaram que também haviam detido D'Pablo e Melo.

Diego Velosa, correspondente da emissora de TV Blu Rádio e Caracol de Bogotá, disse à RCN que ele foi brevemente detido junto com outros três repórteres na segunda-feira. Velosa disse que o grupo foi abordado por rebeldes armados que os levaram ao longo de uma trilha e foram mantidos cativos por cerca de seis horas. Os captores se identificaram como membros do Exército de Libertação Nacional, ou ELN, o menor dos dois grupos guerrilheiros marxistas da Colômbia. Velosa disse que os captores os acusaram de espionagem e de viajar pela região sem permissão. Os repórteres foram insultados e obrigados a entregar seus equipamentos. Velosa disse que antes de soltar seu grupo, os rebeldes disseram que estavam mantendo os dois repórteres da RCN. O ELN não assumiu publicamente a responsabilidade por qualquer dos desaparecimentos.

"Os jornalistas que cobrem o conflito civil, o tráfico de drogas e o crime organizado nestas áreas isoladas estão cumprindo um dever essencial de trazer notícias aos colombianos de grande interesse nacional, e as autoridades devem garantir que eles sejam capazes de fazê-lo sem medo de represálias", disse Carlos Lauría, coordenador sênior do programa do CPJ para as Américas, em Nova York. "Todos os lados no conflito civil colombiano deve fazer o possível para garantir a segurança de todo o pessoal de mídia e respeitar os instrumentos internacionais".

Organizações de mídia colombianas e internacionais enviaram repórteres para a região de Catatumbo esta semana após o desaparecimento de Hernández-Mora. Ela escreve uma coluna para o jornal El Tiempo de Bogotá, os relatórios para o diário madrileno El Mundo, e é uma das mais conhecidas jornalistas da Colômbia. Hernández-Mora foi informar sobre as violações dos direitos humanos e do negócio da cocaína na região. Nenhum grupo ou indivíduo reivindicou a responsabilidade pelo seu desaparecimento.

O ELN, fundado em 1964, financia sua guerra em parte por sequestrar civis em troca de resgate. No entanto, o ELN tem estado em contato próximo com o presidente Juan Manuel Santos e seu governo no ano passado e os dois lados haviam programado para começar as negociações de paz. Frank Pérola, principal negociador do governo com o ELN, vem tentando fazer contato com a organização rebelde para descobrir se ele está mantendo Hernández-Mora, mas ele não recebeu nenhuma resposta, de acordo com a imprensa.

Santos disse hoje que enviou o comandante do exército e o diretor da polícia nacional para a região de Catatumbo para liderar a busca por Hernández-Mora.

O general Jaime Vega, comandante da polícia na região de Catatumbo, disse à RCN hoje: "Nós não sabemos quem estaria interessado em prender Hernández, se de fato ela está detida. Há muitos grupos armados nesta área que lutam sobre o comércio de drogas, por isso é difícil saber qual desses grupos armados pode ter a jornalista".

Jornalistas colombianos têm sido vítimas de agressão no conflito armado do país. Desde 1992, pelo menos 47 jornalistas foram mortos na Colômbia pelo seu trabalho, de acordo com a pesquisa do CPJ. Embora a violência tenha diminuído desde o final dos anos 1990 e início dos anos 2000, as ameaças contra jornalistas continuam.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho