Notícias   |   Guatemala

Jornalista de rádio guatemalteco é assassinado a tiros em seu carro

Nova York, 12 de setembro de 2006 – O repórter de rádio guatemalteco Eduardo Maas Bol foi assassinado a tiros dentro de seu carro nos arredores da cidade central de Cobán, na madrugada de domingo. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) está investigando a possível relação entre o assassinato de Pérez e seu trabalho jornalístico.

Maas, correspondente em Cobán da estação Radio Punto, radicada na Cidade da Guatemala, foi assassinado com quatro tiros por volta das quatro da manhã na estrada que liga Cobán à Cidade da Guatemala, disse ao CPJ o agente da promotoria Genaro Pacheco. Agressores não identificados o balearam na cabeça, no braço esquerdo, nas costas e no tórax.

O repórter estava a caminho de sua residência após ter levado um colega em casa depois de uma reunião, informou ao CPJ seu irmão, Félix Maas Bol. Segundo Pacheco, os detalhes são vagos ainda que, aparentemente, seu irmão tenha estacionado o carro antes de ser alvejado. A carteira e jóias de ouro do jornalista permaneciam intactas dentro do automóvel, ressaltou Pacheco.

Maas informava sobre a região de Alta Verapaz. Félix Maas disse ao CPJ que seu irmão não havia recebido ameaças de morte.

Maas também trabalhava como supervisor para o Ministério da Educação, como porta-voz da associação local de jornalista e como defensor dos direitos humanos, segundo informações fornecidas por seu irmão. Até três meses antes de sua morte, Maas dirigia um programa diário de notícias, o “Correo del Norte”, na estação local Radio Mia, que abandonou após uma mudança na administração, declarou o vice-presidente da associação local de jornalistas, Eduardo Fam Chun.

As autoridades locais detiveram alguns suspeitos, que não foram imediatamente identificados. Pacheco ressaltou que as autoridades estão investigando seis suspeitos e estão revisando os informes de Maas devido ao crime. Segundo Pacheco, o trabalho jornalístico de Maas continua sendo investigado como possível motivo do crime.

O CPJ é uma organização independente, sem fins lucrativos, sediada em Nova York, e se dedica a defender a liberdade de imprensa em todo o mundo.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho