Notícias   |   Brasil

Dois radialistas assassinados em uma semana

Nova York, 29 de abril de 2004—O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) está alarmado pelo assassinato de dois radialistas brasileiros, conhecidos por suas denúncias contra a corrupção e o narcotráfico, em duas regiões remotas do país.

Em 24 de abril, o locutor de rádio José Carlos Araújo foi assassinado na localidade de Timbaúba, a 100 quilômetros de Recife, a capital do estado de Pernambuco, no nordeste do país. Dois pistoleiros não identificados observaram e mataram Araújo por volta das 19h30 em frente a sua casa, em Timbaúba, segundo versões da imprensa local. Nenhum dos pertences do radialista foi roubado.

Araújo, de 37 anos de idade, apresentava o programa "José Carlos Entrevista" na Rádio Timbaúba FM. Citando fontes policiais, o Diário de Pernambuco, com sede em Recife, informou que Araújo ganhou vários inimigos em Timbaúba depois que denunciou a existência de grupos de extermínio e a participação de influentes figuras locais em assassinatos na região.

Segundo o jornal recifense Folha de Pernambuco, ontem, 28 de abril, a polícia capturou Elton Jonas Gonçalves de Oliveira, um dos suspeitos do crime, que confessou ter matado Araújo porque o jornalista o havia acusado pelos microfones de ser um delinqüente. A Folha de Pernambuco citou declarações do delegado de polícia de Timbaúba segundo as quais Gonçalves negava ter cometido todos os crimes que o radialista lhe atribuíra e que estava aborrecido porque o comunicador havia lhe dado má fama.

Radialista assassinado na fronteira entre Brasil e Paraguai

Em 20 de abril, por voltas das 18h00, quatro pistoleiros que se deslocavam em duas motocicletas mataram o radialista Samuel Romã em frente a sua casa, na localidade de Coronel Sapucaia, no estado de Mato Grosso do Sul, na região centro-oeste do país, segundo as versões divulgadas pela imprensa local. A polícia transportou o comunicador ao hospital municipal, mas ele faleceu no trajeto.

Romã era apresentador e proprietário da Rádio Conquista FM, emissora de Capitán Bado, localidade limítrofe a Coronel Sapucaia, no lado paraguaio da fronteira.

O radialista, de 36 anos de idade, era bastante conhecido na região e denunciava com freqüência as atividades dos narcotraficantes e o crime organizado na zona fronteiriça, segundo o Correio do Estado, jornal de Campo Grande, a capital do estado. Romã apresentava o programa "A Voz do Povo".

Segundo o jornal O Progresso, em várias ocasiões antes de sua morte, Romã havia exigido que a polícia investigasse recentes assassinatos ocorridos na região. Além disso, há pouco tempo havia anunciado que possuía documentos que envolviam importantes figuras locais no crime organizado e que divulgaria seus nomes.

Em 22 de abril, a polícia paraguaia prendeu três suspeitos do assassinato de Romã e os entregou à polícia brasileira, que os levou a Campo Grande.

O CPJ continua investigando as circunstâncias que rodeiam a morte do radialista. No início de abril, a polícia local havia solicitado declarações do comunicador sobre suas visitas a uma casa de jogo clandestina, informou a página web de notícias Dourados Agora. Romã militava no Partido Democrático Trabalhista (PDT) e tinha estreitas relações com políticos locais filiados ao PDT.

"Os radialistas do interior do Brasil freqüentemente estão indefesos e a impunidade parece ser a norma", declarou Ann Cooper, diretora-executiva do CPJ. "Esperamos que as prisões efetuadas nestes casos sejam um sinal de que se colocará um fim ao padrão de impunidade e se investigará os casos pronta e rigorosamente".



FIN

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho