dezembro 2019

Juiz adia julgamento pela morte em 2012 de radialista brasileiro citando falta de recursos

Cenário de uma sessão do Supremo Tribunal Federal brasileiro, em 23 de abril de 2019. Um juiz de Goiás suspendeu recentemente o julgamento do assassinato de um cronista esportivo alegando que as instalações eram inadequadas para a realização. (Reuters/Adriano Machado)

Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2019 - As autoridades brasileiras devem retomar o mais breve possível o julgamento dos supostos assassinos do comentarista esportivo Valério Luiz de Oliveira e garantir que a justiça seja cumprida sem mais demoras, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

dezembro 20, 2019 4:12 PM ET

Também disponível em
English

Comunicados de imprensa

Síria e México foram os países mais letais para jornalistas em 2019

À medida que conflitos e assassinatos em represália declinaram, o número total de jornalistas mortos pelo exercício profissional caiu acentuadamente

Nova York, 17 de dezembro de 2019 – A cifra de jornalistas mortos por realizar o seu trabalho caiu em 2019 para o nível mais baixo em 17 anos, tendo em vista que perigosos conflitos regionais se estabilizaram e a quantidade de jornalistas assassinados em represália por suas coberturas informativas foi o mais baixo desde que o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) começou a monitorar essas ocorrências, de acordo com sua análise anual. O levantamento abrange os casos registrados entre 1º de janeiro e 13 de dezembro de 2019.

dezembro 17, 2019 12:01 PM ET

Relatórios   |   Afeganistão, México, Saudi Arabia, Syria

Número de jornalistas mortos cai acentuadamente com a queda recorde no número de assassinatos em represália por seu trabalho

Flores cobrem o caixão do jornalista mexicano Jorge Celestino Ruiz Vazquez, morto em agosto no estado de Veracruz. Ruiz é um dos pelo menos cinco jornalistas assassinados em retaliação por seu trabalho no México em 2019. (Reuters/Oscar Martinez)

À medida que as guerras diminuíram e houve uma baixa recorde no número de jornalistas assassinados em represália por sua cobertura informativa, a cifra total de jornalistas mortos em decorrência de seu trabalho teve um declínio marcante em 2019. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

dezembro 17, 2019 11:59 AM ET

Tags:

Brasil, DECLARAÇÕES

Prefeitura do Rio proíbe acesso de jornalistas da Globo em entrevista coletiva

A sede da rede de televisão brasileira Rede Globo no Rio de Janeiro em 3 de maio de 2018. O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, impediu jornalistas do Grupo Globo de cobrir suas coletivas de imprensa. (Reuters / Pilar Olivares)

Rio de Janeiro, 13 de dezembro de 2019 - O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, deve permitir que repórteres de todos os meios de comunicação cubram as entrevistas à imprensa de seu gabinete, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

dezembro 13, 2019 5:37 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Brasil

Antena de estação de rádio destruída em ataque criminoso

The destroyed antenna of Brazilian local broadcaster Aliança FM is seen in Choró, Ceará state. Police are investigating the attack on the antenna. (Image via Marcolino Borges)

Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 2019 - As autoridades brasileiras devem investigar minuciosamente o ataque criminoso contra a rádio Aliança FM e responsabilizar os autores, informou hoje o Comitê para Proteger Jornalistas (CPJ).

dezembro 13, 2019 10:48 AM ET

Também disponível em
English

Comunicados de imprensa

CPJ vai divulgar seu relatório anual sobre jornalistas mortos pelo exercício da função

Nova York, 12 de dezembro de 2019 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas vai apresentar seu relatório anual sobre jornalistas assassinados por seu trabalho em 18 de dezembro de 2019.

dezembro 12, 2019 3:36 PM ET

Comunicados de imprensa

Pelo menos 250 jornalistas presos em todo o mundo pelo quarto ano consecutivo

China e Turquia lideram a lista dos países que trancafiam jornalistas, seguidos por Egito e Arábia Saudita

Nova York, 11 de dezembro de 2019 – A cifra de jornalistas aprisionados por suas atividades informativas atingiu globalmente pelo menos 250 pelo quarto ano consecutivo, com China e Turquia no topo da lista dos principais carcereiros do mundo, constatou o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

dezembro 11, 2019 12:01 AM ET

Relatórios

China, Turquía, Arábia Saudita e Egito são os países que mais encarceram jornalistas no mundo

Foto de 5 de junho de 2019 mostra uma 'área de entrevistas'para jornalistas que estavam próximos à mesquita de Idkah em Kashgar, Xinjiang, na região noroeste do país, na manhã de Eid al-Fitr, quando muçulmanos ao redor do mundo comemoram o fim do Ramadã. A China foi o principal carcereiro de jornalistas do mundo em 2019, com pelo menos 48 na prisão. (AFP / Greg Baker)

Pelo quarto ano consecutivo, pelo menos 250 jornalistas permanecem atrás das grades em todo o mundo enquanto líderes autoritários como Xi Jinping, Recep Tayyip Erdoğan, Mohammed bin Salman e Abdel Fattah el-Sisi não mostram sinais de afrouxar a pressão sobre os meios de comunicação críticos. Relatório especial do CPJ, por Elana Beiser

dezembro 11, 2019 12:00 AM ET

Comunicados de imprensa

CPJ divulga lista anual de jornalistas presos em todo o mundo

Nova York, 4 de dezembro de 2019 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) divulgará seu censo anual de jornalistas presos em todo o mundo em 11 de dezembro de 2019.

dezembro 4, 2019 3:53 PM ET