Notícias   |   Peru

No Peru, jornalista Gustavo Gorriti e outros meios de comunicação responsabilizados pelo suicídio de ex-presidente

Em 19 de abril de 2019, amigos e familiares carregam o caixão do ex-presidente do Peru, Alan Garcia, que se suicidou no dia 17 de abril, em Lima, Peru. Alguns funcionários do governo culparam jornalistas investigativos peruanos por seu suicídio e participam de uma campanha de assédio. (Reuters/Janine Costa)

Nova York, 22 de abril de 2019 - As autoridades peruanas devem agir imediatamente para garantir a segurança dos jornalistas do site de notícias IDL-Reporteros, e os funcionários públicos devem se abster de fazer declarações inflamadas culpando o meio de comunicação e seu diretor, Gustavo Gorriti, pelo suicídio na semana passada do ex-presidente Alan García, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Múltiplas figuras políticas, incluindo um ex-ministro e membro do Congresso, publicamente chamaram Gorriti de uma das pessoas responsáveis pela morte de García em entrevistas de televisão e posts de mídia social na semana passada, de acordo com Gorriti e imagens compartilhadas com o CPJ. García, presidente do Peru entre 1985 e 1990 e de 2006 a 2011, morreu em 17 de abril depois de atirar em si mesmo quando a polícia chegou à sua casa em Lima para detê-lo por alegações de corrupção, segundo as informações da imprensa.

"Enquanto o mundo político peruano está de luto, difamar repórteres como Gustavo Gorriti por realizar um importante trabalho de jornalismo investigativo não é uma resposta apropriada à morte de Alan García", disse Natalie Southwick, coordenadora do Programa das Américas Central e do Sul do CPJ. "Essa retórica contribui para um ambiente perigoso que incentiva a demonização da imprensa e pode levar a uma violência real contra a mídia."

Em uma série de tweets em 17 de abril, o congressista Héctor Becerril criticou os procuradores do país e descreveu Gorriti como um dos principais responsáveis ​​pela morte de García. Várias contas do Twitter ecoaram e intensificaram essa retórica, descrevendo Gorriti como um "assassino" e "homicida" e postando fotos de escritórios externos da IDL-Reporteros, de acordo com prints revisados ​​pelo CPJ.

Em entrevistas ao jornal RPP Noticias e à TV estatal Perú, Luis Gonzáles Posada, ex-congressista e ministro das Relações Exteriores durante parte do primeiro mandato de García, culpou os meios de comunicação por trabalhar "todos os dias para construir uma imagem de García como corrupto" e nomeou Gorriti como um dos líderes dessa suposta campanha.

Gorriti disse ao CPJ acreditar que a retórica cada vez mais acalorada após a morte de García equivale a "incitamento à violência" contra a imprensa.

Os repetidos apelos do CPJ ao gabinete do Procurador-geral do país em Lima ficaram sem resposta.

O IDL-Reporteros vem investigando casos de corrupção no Peru relacionados à Operação Lava Jato, um escândalo transnacional de corrupção centrado na construtora brasileira Odebrecht, cujos executivos admitiram ter pago centenas de milhões de dólares em propinas a autoridades de vários países no continente. Quatro ex-presidentes do Peru foram implicados em alegações relacionadas ao escândalo da Odebrecht, segundo informações da imprensa.

Os promotores ordenaram uma detenção inicial de 10 dias após as alegações de que o dinheiro da Odebrecht financiou ilegalmente a campanha presidencial de Garcia em 2006, segundo reportagens. No momento de sua morte, ele não havia sido formalmente acusado de nenhum crime.

Em julho de 2018, o CPJ informou que policiais e funcionários do Ministério Público foram ao escritório de Lima da IDL-Reporteros para exigir que entregassem os materiais usados ​​na cobertura do site de notícias sobre a suposta corrupção do governo. Os funcionários foram embora depois de não apresentarem um mandado justificando a busca e o Ministério Público pediu desculpas no Twitter algumas horas depois.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho