Comunicados de imprensa

Campanha #WhereIsAzory do CPJ para destacar jornalista tanzaniano desaparecido

Nova York, 4 de abril de 2019 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) lançou hoje a campanha #WhereIsAzory para chamar a atenção para o caso do jornalista freelancer tanzaniano Azory Gwanda, já que amanhã marca 500 dias desde que foi visto pela última vez.

A campanha pretende aumentar a conscientização sobre Gwanda e pedir às autoridades da Tanzânia que realizem uma investigação confiável e expliquem publicamente seu destino. Os apoiadores podem participar compartilhando as hashtags #WhereIsAzory e #MrudisheniAzory nas mídias sociais.

"Azory Gwanda é um jornalista freelancer que faz reportagens sobre sua comunidade e não deve se tornar apenas mais uma estatística", disse Angela Quintal, coordenadora do programa do CPJ para a África. "Através desta campanha, queremos garantir que o caso de Gwanda se torne uma prioridade para as autoridades da Tanzânia e que obtenhamos as respostas necessárias sobre o que realmente aconteceu com ele. Até lá, os jornalistas da Tanzânia não se sentirão seguros".

Gwanda foi visto pela última vez por sua família e amigos em 21 de novembro de 2017, de acordo com a pesquisa do CPJ. Gwanda disse a sua esposa, Anna Pinoni, que estava fazendo uma viagem de emergência e voltaria no dia seguinte. Ele não foi visto desde então.

Em uma entrevista ao jornal Mwananchi, Pinoni disse acreditar que o desaparecimento de seu marido possa estar relacionado ao seu trabalho reportando uma série de assassinatos misteriosos na região da Costa da Tanzânia, uma visão compartilhada por outros com quem o CPJ falou.

Na Tanzânia, os jornalistas e os meios de comunicação são cautelosos e temem retaliações se falam muito sobre o caso de Gwanda. Quando dois representantes do CPJ foram detidos durante a noite e interrogados na Tanzânia no ano passado, foram especificamente questionados sobre seu interesse em Gwanda. Seu desaparecimento ocorreu em meio à diminuição da liberdade de imprensa no país, incluindo paralisações da mídia ordenadas pelo governo, multas, regulamentações restritivas e prisões arbitrárias de jornalistas.

O CPJ África vai destacar o caso de Gwanda no Twitter, Facebook e Instagram.

###

O CPJ é uma organização independente sem fins lucrativos que trabalha para salvaguardar a liberdade de imprensa em todo o mundo.

Contato de imprensa:

Bebe Santa-Madeira

[email protected]

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho