dezembro 2018

Comunicados de imprensa

Número de jornalistas assassinados em represália por seu trabalho quase duplica

O Afeganistão foi o país mais letal do mundo para jornalistas em 2018

Nova York, 19 de dezembro de 2018 - Pelo menos 53 jornalistas foram mortos no exercício profissional neste ano, 34 dos quais alvo de assassinato em represália por seu trabalho, constatou o Comitê para Proteger Jornalistas em sua análise anual. Os números representam os mortos entre 1º de janeiro e 14 de dezembro e fazem de 2018 o mais mortífero dos últimos três anos para jornalistas, de acordo com os dados do CPJ.

dezembro 19, 2018 12:01 AM ET

Afeganistão, Brasil, Estados Unidos, México

Quase o dobro de jornalistas assassinados em represália por seu trabalho eleva o número de jornalistas mortos

O jornalista saudita Jamal Khashoggi fala em um evento organizado pelo Middle East Monitor [Monitor do Oriente Médio] em Londres, em 29 de setembro de 2018. Ele foi morto no consulado saudita em Istambul, na Turquia, em 2 de outubro. (Middle East Monitor/Handout via Reuters)

Jornalistas da Arábia Saudita ao Afeganistão e aos EUA foram alvo de assassinato em 2018 em represália por seu trabalho, elevando o total de jornalistas mortos em serviço para a mais alta cifra em três anos. O número de jornalistas mortos em conflitos caiu para o nível mais baixo desde 2011. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

dezembro 19, 2018 12:00 AM ET

DECLARAÇÕES, Venezuela

Maior jornal da Venezuela, El Nacional é a última baixa por restrições aos impressos

A copy of the last print edition of El Nacional, with a headline that reads 'El Nacional is a warrior and will keep on fighting,' on December 14. The daily is the latest Venezuelan publication forced to run online only because of limited access to newsprint. (AFP/Federico Parra)

Nova York, 17 de dezembro de 2018 - O maior jornal independente da Venezuela, o El Nacional, imprimiu sua última edição em 14 de dezembro, anunciou seu editor e proprietário Miguel Henrique Otero. Em uma entrevista publicada no jornal, Otero, que administra o diário do exílio autoimposto em Madri, disse que o El Nacional só estaria disponível online por causa das restrições impostas pelo governo ao acesso ao papel de jornal. O El Nacional, fundado em 1943, cobre política e reportou criticamente o governo do presidente Nicolás Maduro. O CPJ documentou como mais de 20 publicações venezuelanas deixaram de ser impressas devido a restrições do governo sobre o papel de jornal.

dezembro 18, 2018 1:46 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Nicarágua

Polícia da Nicarágua invade organização de notícias independente, leva equipamentos e documentos

Fotógrafo local faz um vídeo do escritório do jornalista Carlos Fernando Chamorro no dia seguinte à invasão pela polícia nacional em Manágua, na Nicarágua. (REUTERS/Oswaldo Rivas)

Bogotá, 14 de dezembro de 2018 - A polícia nicaraguense invadiu uma das poucas organizações independentes de notícias do país e retirou documentos, computadores e câmeras de TV, segundo o site de notícias Confidencial, que é um dos meios de comunicação afetados, e outras reportagens da imprensa.

dezembro 17, 2018 2:22 PM ET

Também disponível em
English, Español

Brasil, DECLARAÇÕES

CPJ insta o Brasil a acabar com o uso da difamação para perseguir jornalistas

O blogueiro esportivo Paulo Cezar de Andrade Prado está cumprindo pena de prisão por acusação penal de difamação. (Foto da família)

Nova York, 13 de dezembro de 2018 - As autoridades brasileiras devem deixar de processar os jornalistas por difamação na esfera penal e revogar as leis antiquadas de difamação do país, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). A polícia levou Paulo Cezar de Andrade Prado, blogueiro conhecido como "Paulinho", sob custódia em 9 de novembro para cumprir uma sentença de prisão por difamação, de acordo com grupos de direitos locais.

dezembro 14, 2018 11:52 AM ET

Também disponível em
English

Comunicados de imprensa

Centenas de jornalistas presos se torna a norma, segundo o censo do CPJ

Turquia, China e Egito são responsáveis por prender mais da metade de todos os jornalistas

Nova York, 13 de dezembro de 2018 - Pelo terceiro ano consecutivo, ao menos 251 jornalistas estão atrás das grades por seu trabalho, com os regimes autoritários recorrendo cada vez mais à prisão para silenciar as dissidências, apurou o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

dezembro 13, 2018 12:01 AM ET

Relatórios   |   Brasil, China, Egypt, Etiópia, Iran, Myanmar, Rússia, Syria, Venezuela

Centenas de jornalistas presos em todo o mundo se torna a norma

O jornalista da Reuters, Kyaw Soe Oo, é levado algemado de um tribunal em Yangon em setembro. Ele e seu colega Wa Lone estão cumprindo penas de sete anos de prisão em Mianmar. (Reuters / Ann Wang)

Pelo terceiro ano consecutivo, 251 ou mais jornalistas estão presos em todo o mundo, sugerindo que a abordagem autoritária à cobertura crítica de notícias é mais do que um pico temporário. China, Egito e Arábia Saudita aprisionaram mais jornalistas do que no ano passado, e a Turquia continuou sendo o pior carcereiro do mundo. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

dezembro 13, 2018 12:00 AM ET

Também disponível em
English, العربية, 中文, Français, Русский, Español, Türkçe

Notícias   |   Nicarágua

Polícia da Nicarágua invade rádio independente Darío

Equipe da Rádio Darío em seu estúdio temporário. Incendiários atearam fogo na sede da emissora em abril. (Shannon O'Reilly)

Port of Spain, Trinidad e Tobago, 6 de dezembro de 2018 - Autoridades nicaraguenses devem parar de assediar os meios de comunicação independentes e permitir que eles informem sem interferência, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

dezembro 7, 2018 3:19 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   México

Jornalista mexicano é morto a tiros em Nayarit

Um policial monta guarda depois que membros da imprensa escreveram mensagens na rua durante um protesto contra o assassinato ou desaparecimento de mais de 140 jornalistas no México desde 2000, em frente ao Palácio Nacional na Cidade do México em 1º de junho de 2018. O corpo do jornalista Alejandro Márquez Jiménez foi encontrado em 1º de dezembro de 2018, perto de Tepic, capital do estado de Nayarit, no noroeste do país. (AFP/Yuri Cortez)

Cidade do México, 4 de dezembro de 2018 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) insta as autoridades mexicanas a realizar imediatamente uma investigação confiável e rigorosa sobre o assassinato do jornalista Alejandro Márquez Jiménez, cujo corpo foi encontrado em 1º de dezembro próximo a Tepic, capital do estado de Nayarit, de acordo com as informações da imprensa.

dezembro 5, 2018 6:29 PM ET

Também disponível em
English, Español