Comunicados de imprensa, Equador

Dois jornalistas e motorista sequestrados no Equador perto da fronteira com a Colômbia

Também disponível em English, Español

A polícia controla o tráfego em uma rua na capital do Equador, Quito, em fevereiro de 2017. Três membros de uma equipe de reportagem foram sequestrados em 26 de março enquanto faziam reportagens na província de Esmeraldas, no norte do país, segundo informações da imprensa. (Reuters/Mariana Bazo)

Nova York, 27 de março de 2018 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) pediu hoje a libertação imediata de três membros de uma equipe de reportagem do jornal El Comercio, sequestrados ontem de manhã no norte do Equador, perto da fronteira colombiana.

Um repórter, um fotojornalista e seu motorista foram sequestrados na manhã de ontem, enquanto faziam reportagens no cantão de San Lorenzo, na província de Esmeraldas, no norte do país, de acordo com informações veiculadas pela mídia e de autoridades equatorianas. Em uma coletiva de imprensa nesta manhã, o ministro do Interior equatoriano, César Navas, disse que o governo estava em contato com os sequestradores e acreditava que os três funcionários do El Comercio estavam ilesos e mantidos na fronteira da Colômbia, mas não ofereceram outros detalhes, alegando investigação em andamento. O El Comercio não identificou a equipe pelo nome.

"Estamos preocupados com a segurança dos jornalistas do El Comercio e de seu motorista, e pedimos às autoridades do Equador e da Colômbia que ajam rapidamente para garantir sua liberação segura e imediata", disse Natalie Southwick, pesquisadora associada do CPJ para a América Central e do Sul. "Protagonistas armados baseados na Colômbia devem reconhecer o status civil dos jornalistas, independentemente de qual lado da fronteira eles estão."


Repórteres que cobrem o conflito nas regiões fronteiriças colombianas há muito são vítimas de agressão de vários grupos armados. Em junho de 2017, dois repórteres holandeses foram brevemente sequestrados pelo grupo rebelde do ELN, enquanto se aproximavam da fronteira colombiana-venezuelana.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho