Blog

Perigos vindos de dentro da redação

Também disponível em English, Español

Christiane Amanpour discursa na cerimônia de entrega dos Prêmios Internacionais de Liberdade de Imprensa do CPJ, em novembro de 2017. (AFP / Getty Images / Kevin Hagen)

Por Christiane Amanpour / chefe dos correspondentes internacionais da CNN e consultora sênior do CPJ

Em novembro, fiquei de pé diante dos principais executivos de mídia dos Estados Unidos e pedi-lhes que erradicassem o assédio sexual em suas organizações.

"As comportas estão abertas", disse à audiência na cerimônia de gala anual dos Prêmios Internacionais de Liberdade de Imprensa do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Em poucos dias, o presidente da CBS News, David Rhodes, que presidia o jantar, demitiria o coapresentador do programa matutino, Charlie Rose, em meio a denúncias de má conduta sexual. Desde então, o fluxo de demissões se transformou em uma inundação. Histórias pipocaram sobre o comportamento inadequado de outros jornalistas proeminentes, e um segundo gigante da televisão nas manhãs, Matt Lauer da NBC, foi logo arrastado pela mesma maré.

Temos um longo caminho a percorrer em nossa indústria e na sociedade em geral. Recentemente, marcamos o aniversário de um ano da posse de um presidente que se vangloria de agressão sexual e foi acusado de beijar à força uma jornalista da revista People.

Ao falar, criando nossas vozes, expusemos os abusadores e aplaudimos os líderes da indústria que agiram de forma rápida e decisiva. Mas se quisermos eliminar o assédio sexual, precisamos fazer mudanças mais amplas.

Como membro do conselho do CPJ e Embaixadora da Boa Vontade da UNESCO pela Liberdade de Expressão e Segurança de Jornalistas, muitas vezes encontro jornalistas, homens e mulheres, que enfrentam o poder e pagam um preço terrível. Estou impressionado com a coragem de todos eles. Mas as mulheres repórteres enfrentam riscos especiais. Trolls perseguem mais as mulheres repórteres do que aos homens. Um estudo da britânica think-tank Demos concluiu que as jornalistas e apresentadoras de TV recebem três vezes mais abusos pelo Twitter do que seus homólogos masculinos.

Assassinato de caráter, ataques pessoais viciosos, exposição de informações - geralmente pessoais -, e até ameaças de morte por regimes, fanáticos religiosos, criminosos ou milícias são o custo do trabalho para muitas mulheres nos meios de comunicação em todo o mundo.

Veja Khadija Ismayilova, uma corajosa repórter investigativa do Azerbaijão. As autoridades de lá tentaram envergonhá-la publicando uma fita de vídeo íntima. Ela foi finalmente presa por 18 meses.

Mulheres repórteres enfrentam terríveis riscos em campo. Então eles voltam para casa e enfrentam assédio e até investidas no local de trabalho. Quem sabia que tais perigos espreitavam as redações de democracias ocidentais liberais? Bem, muitas mulheres repórteres sabiam. Algumas se queixaram aos empregadores. Algumas aprenderam a navegar nessas águas tóxicas.

A exposição de reportes de um punhado de organizações de notícias quebrou a parede do silêncio em torno do produtor Harvey Weinstein, e a indignação pública foi palpável. Ele acabou sendo apenas a ponta de nosso próprio iceberg no negócio de entretenimento. No setor de notícias, [também] tivemos o iceberg - Roger Ailes e Bill O'Reilly, da Fox.

Estas e outras revelações parecem ter incentivado mais mulheres a se apresentarem. Nós precisamos de mais. Eu quero que proprietários de mídia, executivos de notícias e editores extingam implacavelmente o assédio sexual e eliminem os predadores de suas organizações.

É importante que poderosos agressores em série sejam derrocados. Mas estes não eram os únicos homens responsáveis: havia executivos que faziam cálculos de dinheiro ou conveniência, departamentos de RH que não respondiam ou eram desconfiados, advogados que redigiram acordos de não divulgação para manter as mulheres em silêncio. Precisamos ampliar a lente e reconhecer que este não é um problema de algumas maçãs podres.

O problema do assédio sexual e sua onipresença em nossa indústria não é apenas uma possibilidade.

Um estudo conjunto da International Women's Media Foundation, onde eu atuo como membro honorário do conselho, e o International News Safety Institute descobriu que os autores mais comuns de "intimidação, ameaças e abusos" eram chefes.

Quando perguntadas onde elas enfrentaram violência física, quase metade das mulheres repórteres questionadas disseram: "em campo". Mas surpreendentes 18 por cento disseram: "na redação".

O estudo, Violência e Assédio contra as Mulheres na Mídia Noticiosa: uma Imagem Global, mostrou que quase metade das pesquisadas sofreu assédio sexual, principalmente no local de trabalho.

É decepcionante que, quando a Columbia Journalism Review enviou uma pesquisa sobre políticas de assédio sexual para a gerência sênior de 149 redações, não obteve uma única resposta nas três primeiras semanas. Jornalistas individualmente, no entanto, responderam a uma pesquisa a parte. Centenas deles. Oitenta por cento dos freelances disseram que, se quisessem denunciar um caso de assédio sexual, não saberiam como fazê-lo.

Precisamos de uma declaração alta e clara de tolerância zero. E há uma coisa que eu sei com certeza: mulheres e homens jovens não se sentirão seguros até que todos os nossos colegas e chefes do sexo masculino estejam do nosso lado.

É irônico que os mesmos executivos e editores que insistem que repórteres tenham treinamentos de segurança, casacos e capacetes quando nos enviam a lugares perigosos no exterior muitas vezes nos deixam para nos defendermos sozinhas em casa.

Graças a algumas mulheres corajosas e algumas reportagens excelentes, o problema do assédio sexual generalizado foi exposto.

Não há como fechar os olhos. Não há como se afastar. Não há mais tolerância. Não há aceitação. Isso deve terminar. Deve terminar agora.

Christiane Amanpour é chefe dos correspondentes internacionais da CNN e âncora do premiado programa de assuntos globais "Amanpour". Ela ingressou no conselho administrativo do CPJ em 2005 e depois começou a atuar na organização como consultora sênior.

[NOTA DO EDITOR: Este artigo apareceu pela primeira vez na "edição de inverno 2018" da Columbia Journalism Review, publicada em parceria com o CPJ.]

Mais sobre
Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho