Notícias   |   México

Blogueira e satirista mexicana é morta no estado de Guerrero

Também disponível em English, Español

A visão geral de uma praia vista em Acapulco, no México, em setembro de 2017. Dois agressores não identificados mataram, em 5 de fevereiro, Pamika Montenegro, jornalista, satirista e comentarista de mídia social, em seu restaurante em Acapulco. (Reuters / Troy Merida)

Cidade do México, 8 de fevereiro de 2018 - As autoridades do estado de Guerrero, no sul do México, devem empreender uma investigação exaustiva sobre o assassinato de Pamika Montenegro, jornalista, satirista e comentarista de redes sociais, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Dois agressores não identificados a mataram em 5 de fevereiro no restaurante que possuía na cidade balneária de Acapulco, de acordo com a imprensa.

A jornalista, que dirigia um canal satírico no YouTube, a revista de notícias impressa e on-line El Sillón, e era ativa em sites de redes sociais, tinha sido alvo de ameaças nos meses anteriores ao seu assassinato, de acordo com informações veiculadas pela imprensa.

"As autoridades mexicanas devem investigar de forma imediata e plausível o assassinato de Pamika Montenegro e fazer tudo o que estiver ao seu alcance para levar os culpados à justiça", disse Jan-Albert Hootsen, representante do CPJ no México. "Os criminosos sabem que podem se livrar de assassinatos de jornalistas no México por causa da impunidade crônica por esses crimes. Até que eles sejam responsabilizados, a violência continuará".

As autoridades estaduais alegaram que Javi Daniel Cervantes Magno, o suposto líder de uma quadrilha criminosa que atua em Acapulco, ordenou o assassinato de Montenegro, de acordo com uma declaração do procurador-geral de Justiça do estado de Guerrero, Javier Olea, em 6 de fevereiro. Um porta-voz da procuradoria-geral de Justiça do estado disse ao CPJ em 8 de fevereiro que não conseguiu confirmar se um mandado havia sido emitido para a prisão de Magno e não retornou as ligações pedindo mais comentários.

O CPJ não conseguiu localizar Cervantes Magno para comentar.

Na declaração, Olea afirmou que o Montenegro irritou a gangue ao publicar informações sobre o crime organizado em Acapulco. Olea não especificou se a informação havia sido veiculada na revista da jornalista ou em sua página na mídia social.

O CPJ não conseguiu encontrar artigos recentes em El Sillón, na página da El Sillón no Facebook ou nos vídeos de Montenegro em seu canal do YouTube que se encaixem na descrição da Olea.

Miguel Ángel Mata, presidente do Clube de Jornalistas de Guerrero, criticou a declaração de Olea. "Eu acho que esses comentários foram precipitados", disse ao CPJ.

Além de dirigir e editar a El Sillón, que fundou em 2012, Montenegro ficou mais conhecida como "La Nana Pelucas" (A Vovó de Perucas), sua personagem on-line exibida em seu canal satírico no YouTube, o El Sillón TV.

Tanto como editora da El Sillón quanto como "La Nana Pelucas", Montenegro cobria a política local em Acapulco e na região de Guerrero, e muitas vezes satirizava os políticos.

A página do Facebook de El Sillón, que Montenegro administrava com seu marido, Samuel Muñuzuri, publicou recentemente uma variedade de postagens sobre temas como beleza, cultura e política.

Ricardo Sánchez Pérez del Pozo, que chefia o gabinete do Procurador Especial Federal para a Atenção aos Crimes Contra a Liberdade de Expressão (FEADLE), disse ao CPJ que seu gabinete, desde 7 de fevereiro, ainda não havia aberto uma investigação federal sobre o homicídio.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho