Blog   |   México

A lembrança do jornalista investigativo mexicano Javier Valdez ficará viva por meio de sua obra

Também disponível em English, Español

Um retrato de Javier Valdez em uma homenagem na Cidade do México para celebrar a vida e reconhecer o trabalho do jornalista que foi assassinado em maio. (AFP/Bernardo Montoya)

Por Jan-Albert Hootsen, correspondente do CPJ no México

Passaram-se dois meses desde o homicídio de Javier Valdez Cárdenas, jornalista investigativo mexicano e ganhador do Prêmio Internacional à Liberdade de Imprensa do CPJ. A dor por sua morte, ocorrida em Culiacán, capital do estado de Sinaloa, deixou muitos com questionamentos a respeito de por que a investigação do assassinato parece ter alcançado poucos resultados até o momento.

Mais de 150 pessoas se reuniram no Centro Cultural Casa Lamm da Cidade do México em 15 de julho para participar de um evento organizado pelo CPJ e pela Repórteres Sem Fronteiras com o propósito de celebrar a vida e a obra de Valdez, que foi cofundador do semanário investigativo Ríodoce e correspondente do jornal La Jornada da Cidade do México.

" Javier se esforçou extraordinariamente para contar ao país a tragédia sofrida pelo México devido ao flagelo do narcotráfico", afirmou Carlos Lauría, coordenador sênior do Programa das Américas do CPJ, em sua fala inicial. "[Valdez] deu um rosto a muitas das vítimas e se propôs a contar, em diferentes formatos de mídia, as histórias de mulheres, crianças e pessoas afetadas".

Lauría e Valdez se tornaram bons amigos quando o CPJ outorgou ao jornalista de Sinaloa o Prêmio Internacional à Liberdade de Imprensa em 2011. No evento em memória do jornalista, foi transmitido o vídeo do discurso de Valdez ao aceitar o prêmio em Nova York, discurso pelo qual foi aplaudido de pé.

No vídeo, Valdez declarou: "Dedico esse prêmio aos jornalistas corajosos, a crianças e jovens que vivem uma morte lenta. Preferi dar rosto e nome às vítimas, e tratar esse panorama triste e desolador, estes passos agigantados de tomar atalhos até o apocalipse, em vez de contar os mortos e reduzi-los a números".

Carlos Lauría do CPJ fala na Cidade do México sobre seu amigo Javier Valdez, ganhador do Prêmio Internacional à Liberdade de Imprensa. (AFP/Bernando Montoya). O jornalista John Gibler junto a Everard Meade, Alejandro Almazán, Anabel Hernández e Tracy Wilkinson participaram da homenagem a Javier Valdez na Cidade do México. (Leopoldo Massud Orive)

Depois do vídeo e de um discurso pronunciado por Balbina Flores, representante da RSF no México, Griselda Triana, a viúva de Valdez, lutando contra as lágrimas, deplorou a aparente falta de avanços na investigação do homicídio. " Se tudo o que resta é exigir justiça, devemos pedi-la aos gritos", disse Triana, que estava acompanhada de seus filhos. "Justiça para cada jornalista que foi assassinado neste país".

Um painel de oradores compartilhou recordações e leu fragmentos das colunas e livros de Valdez. Entre eles estavam os jornalistas investigativos Marcela Turati, Alejandro Almazán, John Gibler e Anabel Hernández, assim como Tracy Wilkinson, ex-correspondente no México do jornal Los Angeles Times e viúva do ex-representante do CPJ no México, Mike O'Connor. Wilkinson, que agora cobre a editoria internacional para este jornal de Washington, D.C., informou sobre conflitos bélicos em três continentes.

Os oradores enfatizaram o alcance da empatia e o empenho de Valdez para contar as histórias da guerra contra as drogas no México. No momento, que talvez tenha sido o mais comovente e emotivo do evento, umas dessas vítimas, María Herrera, falou de sua relação com Valdez e como ele havia se proposto a contar a história da perda e dor de Herrera quando sequestraram quatro de seus filhos.

"Para mim, como para muitos, a morte de Javier é uma enorme perda", afirmou Herrera. "Mas ele continua vivo e seguirá vivendo por meio de sua obra".

[Informações direto da Cidade do México]

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho