DECLARAÇÕES, México

Ex-chefe de polícia condenado a 30 anos de prisão por assassinato de jornalista em Oaxaca

Também disponível em English, Español

Nova York, 6 de março de 2017 - Um tribunal de justiça no estado mexicano de Oaxaca condenou Jorge Armando Santiago Martínez pelo assassinato de Marcos Hernández Bautista, jornalista do diário Noticias, Voz e Imagem de Oaxaca. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) saudou a decisão de 3 de março e instou as autoridades a processar todos os envolvidos no crime.

Marcos Hernández Bautista foi assassinado em janeiro de 2016. Um ex-chefe de polícia foi encarcerado por seu homicídio. (Noticias)

Durante a audiência em Puerto Escondido, Santiago Martínez, ex-chefe da polícia municipal de Santiago de Jamiltepec, foi condenado a 30 anos de prisão por atirar várias vezes contra Hernández, na frente de um bar que o jornalista possuía, em 21 de janeiro de 2016, segundo um comunicado da Procuradoria-geral do estado de Oaxaca. Santiago Martínez foi sentenciado a pagar 178.000 pesos mexicanos (8.100 dólares norte-americanos) a título de reparação à família do jornalista, segundo o comunicado.

"Aplaudimos as autoridades mexicanas por esta condenação no homicídio do jornalista Marco Hernández Bautista", declarou o coordenador sênior do programa das Américas do CPJ, Carlos Lauría. "Embora este seja um primeiro passo alentador para abordar a questão da violência contra a imprensa, não haverá justiça plena até que o autor intelectual seja detido. Instamos as autoridades mexicanas a identificar e processar judicialmente o mentor do crie e a quebrar o ciclo de violência letal contra os meios de comunicação. "

As autoridades prenderam Santiago Martínez em 25 de fevereiro de 2016 e o acusaram do assassinato em 25 de julho do mesmo ano, segundo informações da imprensa. O comunicado da Procuradoria-Geral de Oaxaca não incluiu informações sobre o motivo do crime. A Procuradoria não respondeu de imediato um telefonema do CPJ.

Hernádez, que também era correspondente da rádio La Ke Buena, no município de Pinotepa Nacional, informava sobre temas sociais e havia escrito sobre protestos relativos à construção de uma represa hidroelétrica, segundo reportagens. A editora de Noticias, Voz e Imagem, María de los Ángeles Velasco informou ao CPJ que o jornalista também havia denunciado funcionários públicos por roubo de terra e corrupção.

Velasco disse que Hernández foi assassinado dias depois de uma notícia falsa ser publicada no facebook. A notícia falsa sobre um suposto roubo de terras foi elaborada como se fosse um artigo do Noticias. Hernández, que não teve nenhuma participação no artigo, começou a receber telefonemas ameaçadores, segundo Velasco e colegas do jornalista, que falaram ao CPJ na condição de anonimato por temor a represálias.

Hernández também era secretário municipal de cultura em Jamiltepec e militante de um partido de esquerda da oposição, chamado MORENA, segundo Ismael Sanmartín Hernández, diretor editorial do Notícias, Vozes e Imagens de Oaxaca.

O CPJ documentou pelo menos 37 casos de jornalistas mortos pelo exercício da profissão no México desde 1992, incluindo 34 homicídios em represália direta por seu trabalho. Antes da sentença de 3 de março, em 88 por cento dos casos existe total imunidade. Em outros 9 por cento dos casos, pelo menos um indivíduo foi condenado, mas não todos os envolvidos no crime foram processados. O CPJ está investigando outros 49 casos de jornalistas que foram mortos em circunstâncias pouco claras para se determinar se tem relação com seu trabalho informativo.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho