Colombia, DECLARAÇÕES

Jornalista desaparecida na Colômbia

Também disponível em English, Español

Bogotá, Colômbia, 23 de maio de 2016 - Salud Hernández-Mora, uma jornalista colombiana-espanhol que estava relatando sobre violações dos direitos humanos e do comércio ilegal de drogas no norte da Colômbia, está desaparecida desde sábado e pode ter sido sequestrada, de acordo com o seu empregador, os espanhóis e os governos da Colômbia.

Uma das mais conhecidas jornalistas da Colômbia, que muitas vezes reportou a partir de zonas de conflito, Hernández-Mora escreve uma coluna semanal para o jornal de Bogotá El Tiempo e tem servido como correspondente do jornal de Madrid El Mundo na Colômbia desde 1999. A declaração do Ministério da Defesa da Colômbia divulgado neste domingo, disse que ela foi vista pela última vez no sábado à tarde, na aldeia de El Tarra, perto da fronteira da Colômbia com a Venezuela.

"Instamos as autoridades colombianas a usar todos os meios possíveis para encontrar a jornalista Salud Hernández-Mora e trazê-la para a segurança", disse Carlos Lauría, coordenador sênior do programa do CPJ para as Américas. "O desaparecimento da repórter é um lembrete dos perigos que a imprensa enfrenta quando informa sobre o conflito civil de décadas da Colômbia".

De acordo com o El Tiempo, um homem não identificado se aproximou de Hernández-Mora, enquanto ela estava almoçando e prometeu voltar com um telefone celular e uma câmera que haviam sido roubados no dia anterior. Hernández-Mora tomou um moto-táxi para seguir o homem, que também estava em uma motocicleta, informou o El Tiempo. Ela não foi mais vista desde então.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou hoje que ordenou às forças de segurança que trabalhem exaustivamente para localizar a jornalista. O comunicado do Ministério da Defesa disse que a polícia e membros da unidade antissequestro dos militares estavam procurando a jornalista e estão reunindo depoimentos e provas em El Tarra.

O ministro em exercício das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel García-Margallo, disse aos jornalistas em Bruxelas segunda-feira que a evidência sugere que Hernández-Mora foi sequestrada pelo Exército de Libertação Nacional (ELN), um grupo guerrilheiro marxista.

De acordo com a Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP), de Bogotá, Hernández-Mora estava informando da região desde 16 de maio. A área é o lar de vastas plantações de coca, a matéria-prima usada para fazer cocaína, de gangues de tráfico de drogas e de guerrilheiros de esquerda, de acordo com o site de notícias La Silla Vacía.

A FLIP disse que Hernández-Mora estava trabalhando em histórias sobre o comércio de cocaína, a morte de um líder guerrilheiro conhecido como Megateo, e no caso de um oficial do exército que tinha sido preso por matar um fazendeiro local. Hernández-Mora também cobriu um protesto em El Tarra na sexta-feira sobre o desaparecimento de dois residentes locais.

O diretor do El Tiempo, Roberto Pombo, disse hoje a uma rádio colombiana que Hernández-Mora tinha tido alguma dificuldade em se comunicar por causa de deficiências na rede telefônica, e por isso não podia excluir a possibilidade de a jornalista estar trabalhando além do alcance de redes de telefonia móvel. Ele disse que estava preocupado e esperava por seu retorno seguro.

Hernández-Mora, que já escreveu quatro livros sobre a Colômbia e que tem dupla cidadania espanhol-colombiana, também trabalhou para a Fundação País Livre situada em Bogotá, um grupo que aconselha os familiares das vítimas de sequestro. Em suas colunas, ela tem criticado duramente os grupos guerrilheiros da Colômbia e o processo de paz em curso entre o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), a maior organização rebelde do país.

Desde 1992, pelo menos 47 jornalistas foram mortos na Colômbia por seu trabalho, muitos como resultado do conflito entre o Estado e os grupos guerrilheiros armados. Embora a segurança para os jornalistas na Colômbia tenha melhorado nos últimos anos, ameaças e violência contra jornalistas continuam, muitas vezes com impunidade, de acordo com a pesquisa do CPJ.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho