México

2011

Notícias   |   México

A guerra do narcotráfico mexicana ceifa a vida de jovem fotógrafo

Nova York, 29 de março de 2011 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) deplora o assassinato do fotógrafo mexicano Luis Emanuel Ruiz Carrillo na sexta-feira, e insta as autoridades mexicanas a conduzir uma investigação minuciosa sobre o homicídio.

março 29, 2011 6:23 PM ET

Ataques contra a imprensa   |   Argentina, Brasil, Colombia, Cuba, Equador, Estados Unidos, Haiti, Honduras, México, Venezuela

Ataques à Imprensa em 2010: Análise Américas

Na América Latina, a volta da censura

O jornal venezuelano El Nacional deixa espaço em branco para uma imagem que o governo não permitiria. (Reuters/Jorge Silva)

Por Carlos Lauría

Como uma ilustre família de políticos no Estado do Maranhão no poder há mais de 40 anos, os Sarney estão acostumados a chegar a onde querem na vida pública brasileira. Assim, quando em junho de 2009 O Estado de S. Paulo, um dos principais jornais de circulação nacional, publicou denúncias que ligavam José Sarney, então presidente do Senado e ex-presidente do país, ao nepotismo e à corrupção, o clã político não ficou de braços cruzados. Os Sarney recorreram a um juiz em Brasília e conseguiram uma liminar contra O Estado, proibindo o jornal de publicar outras reportagens sobre as alegações. Dezoito meses depois, ao fim de 2010, a proibição continuava em vigor, apesar de críticas nacionais e internacionais.

fevereiro 15, 2011 12:54 AM ET

Também disponível em
English, Español

Ataques contra a imprensa   |   México

Ataques à Imprensa em 2010: México

Principais Acontecimentos
• Em meio à violência desenfreada, Calderón apoia a federalização de crimes contra a liberdade de expressão.
• Mais de 30 jornalistas assassinados ou desaparecidos desde o início do mandato de Calderón.

Estatística em Destaque
4: jornalistas seqüestrados em Durango por criminosos que exigem que emissoras de televisão transmitam sua propaganda.


Grupos do crime organizado exerceram grande pressão sobre a imprensa mexicana conforme espalharam seu controle por vastas regiões do país e a praticamente toda esfera da sociedade. A autocensura que se generalizou entre os meios de comunicação em áreas dominadas por traficantes de drogas foi uma devastadora conseqüência da violência e da intimidação. Dez jornalistas foram mortos, ao menos três deles em relação direta com seu trabalho, e três outros repórteres desapareceram. Além disso, jornalistas foram agredidos, seqüestrados e forçados ao exílio, enquanto meios de comunicação foram alvo de ataques a bombas, tornando o México um dos lugares mais letais do mundo para a imprensa. Depois de encontrar-se com uma delegação do CPJ, o presidente Felipe Calderón Hinojosa comprometeu-se a impulsionar uma legislação que torne os ataques à liberdade de expressão um crime federal, e anunciou o lançamento de um programa de segurança para jornalistas em situação de risco iminente.

fevereiro 15, 2011 12:25 AM ET

2011

páginas: 1 2 ou todos
« página anterior  
« 2010 | 2012 »