Américas

2013


Relatórios   |   Brasil, México

Síria, Iraque e Egito são os países mais letais para jornalistas

O conflito na Síria, um aumento no derramamento de sangue no Iraque, e a violência política no Egito responderam pelo elevado número de jornalistas mortos em serviço em 2013. Um relatório especial do CPJ por Elana Beiser

Esta imagem fornecida pelo Aleppo Media Center mostra sírios ajudando um homem ferido no local de um ataque aéreo do governo em Aleppo, em 17 de dezembro. Cidadãos jornalistas foram vitais para documentar mortes e destruição no conflito. (AP / Aleppo Media Center)
dezembro 30, 2013 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Français, Español, العربية

Relatórios

Secundo pior ano da história para jornalistas na prisão

Pelo segundo ano consecutivo, a Turquia foi líder em encarceramentos de jornalistas no mundo, seguida de perto pelo Irã e pela China. O número de jornalistas presos globalmente diminuiu em relação ao ano anterior, mas permanece próximo às altas históricas. Um relatório especial por Elana Beiser.

 

Jornalistas turcos protestam por direitos da mídia em Istambul em 5 de novembro de 2013. Manifestantes passam a um passo por minuto para destacar  o lento processo da justiça na Turquia. (AFP/Ozan Kose)

dezembro 18, 2013 12:01 AM ET

Letras   |   Brasil

Brasil deve apoiar o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade

Nova York, 18 de novembro de 2013 - O Brasil deve fazer uma declaração forte comprometendo-se a inverter o longo histórico do país de impunidade em assassinatos de jornalistas em 23 de novembro, Dia Internacional pelo Fim da Impunidade, declarou o Comitê para a Proteção dos Jornalistas em uma carta para Dilma Vana Rousseff, Presidente da República Federativa do Brasil. Leia a carta na íntegra aqui.

novembro 18, 2013 10:59 AM ET

Também disponível em
English

Relatórios   |   Estados Unidos

O governo Obama e a Imprensa

Investigações sobre os vazamentos e a vigilância pós 11/09 nos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama chegou ao governo prometendo transparência, mas não tem cumprido com sua palavra. Jornalistas e ativistas na defesa da transparência afirmam que a Casa Branca limita a divulgação de informações e emprega seus próprios meios para evitar o escrutínio da imprensa. Os agressivos processos judiciais de informantes de material classificado e uma vigilância eletrônica generalizada estão dissuadindo as fontes governamentais de falar com os jornalistas. Um relatório especial do CPJ por Leonard Downie Jr. com investigação de Sara Rafsky.

Barack Obama deixa uma conferência de imprensa no Salão Leste da Casa Branca em 9 de agosto. (AFP / Saul Loeb)
outubro 10, 2013 10:00 AM ET

Também disponível em
English, Español

Relatórios   |   Estados Unidos

Recomendações do CPJ para a administração Obama

CPJ está preocupado com o padrão de ações da Administração Obama que inibe o fluxo de informações sobre temas de grande interesse público, incluindo as questões de segurança nacional. A guerra do governo aos vazamentos para a imprensa através do uso de intimações secretas contra organizações de notícias, a sua afirmação através de processo penal que o vazamento de documentos confidenciais para a imprensa é espionagem ou ajuda ao inimigo, e suas crescentes limitações no acesso à informação que é do interesse público - todos frustram uma discussão livre e aberta necessária em uma democracia.

outubro 10, 2013 10:00 AM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Angola

Polícia angolana agride, detém jornalistas

New York, 20 de setembro de 2013 - Pelo menos três jornalistas foram agredidos e brevemente detidos hoje pela polícia enquanto cobriam a liberação de sete pessoas que foram presas durante um protesto na quinta-feira, de acordo com os jornalistas e reportagens. Manifestantes organizaram um protesto contra o que chamaram de regime autoritário do Presidente José Eduardo dos Santos, segundo as reportagens.

setembro 20, 2013 5:21 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Colombia

Apresentador de Rádio morto a tiros na Colômbia

Bogotá, 16 de setembro de 2013 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) insta as autoridades colombianas a realizarem uma investigação completa do assassinato do apresentador de um programa de rádio na quarta-feira. Édison Alberto Molina, advogado e político que apresentava um programa no qual denunciava corrupção governamental, foi morto a tiros na cidade de Puerto Berrío, segundo as informações da imprensa.

setembro 16, 2013 6:21 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   México

México retira acusações de tentativa de assassinato de Blancornelas

Nova York, 6 de setembro de 2013 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) está indignado com a decisão de um juiz mexicano de rejeitar as acusações contra Marco Quiñones Arturo Sánchez, um dos pistoleiros implicado na tentativa de assassinato em 1997 de J. Jesús Blancornelas, fundador e ex-editor do semanário Zeta, de Tijuana. Os editores do Zeta disseram ao CPJ que foram informados da decisão na segunda-feira.

setembro 6, 2013 5:26 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Guatemala

Um jornalista assassinado e outro atacado na Guatemala

Nova York, 20 de agosto de 2013 - As autoridades guatemaltecas devem realizar uma investigação completa sobre o assassinato de um jornalista de rádio e televisão que foi encontrado na segunda-feira, depois de permanecer desaparecido por várias horas, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Carlos Alberto Orellana Chávez foi morto uma semana depois de outro jornalista ser baleado e ferido no mesmo departamento [estado].

agosto 20, 2013 6:34 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Brasil

Atirador sentenciado pelo assassinato de jornalista brasileiro

Nova York, 9 de agosto de 2013 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) recebe om satisfação a condenação pelo assassinato em 2010 do jornalista de rádio e blogueiro Francisco Gomes de Medeiros. João Francisco dos Santos foi sentenciado a 27 anos de prisão pelo homicídio do jornalista na cidade de Caiacó, nordeste do país, segundo as informações da imprensa.

agosto 9, 2013 3:19 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   México

Repórter mexicano da editoria de polícia é morto em Oaxaca

Cidade do México, 18 de julho de 2013 - As autoridades mexicanas devem realizar uma investigação completa e transparente sobre o assassinato do repórter que cobria criminalidade cujo corpo foi encontrado na quarta-feira na Cidade de Oaxaca, capital do estado de Oaxaca, declarou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Alberto López Bello foi severamente espancado e baleado, disseram ao CPJ funcionários do governo.

julho 18, 2013 5:58 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Honduras

Jornalista sequestrado é encontrado morto em Honduras

Anibal Barrow (AFP)

Nova York, 11 de julho de 2013 - O corpo do jornalista de rádio hondurenho Aníbal Barrow foi encontrado na terça-feira na margem de uma lagoa perto da cidade de San Pedro Sula, de acordo com reportagens da imprensa. Barrow havia sido seqüestrado de seu carro em 24 de junho, segundo as informações da imprensa.

"Lamentamos a morte do jornalista Aníbal Barrow e enviamos nossas condolências a seus familiares, amigos e colegas de trabalho", disse o coordenador sênior do programa das Américas, Carlos Lauría. "A violência letal contra a imprensa e o interminável ciclo de impunidade está comprometendo a democracia em Honduras. As autoridades locais devem investigar a fundo este crime e levar os responsáveis à justiça".

julho 11, 2013 4:47 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Peru

Rádio é atacada com explosivos no Peru

Bogotá, 9 de julho de 2013 - As autoridades peruanas devem investigar imediatamente um ataque com explosivos ocorrido em 4 de julho contra as instalações da Rádio Tropicana na cidade de Satipo, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Ninguém ficou ferido, mas as dependências da emissora foram seriamente danificadas, disse ao CPJ o diretor da estação.

julho 9, 2013 3:30 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Brasil

Jornalistas atacados e detidos durante protestos no Brasil

Pelo menos 25 jornalistas disseram que foram atacados ou brevemente detidos enquanto cobriam os protestos que se espalharam por todo o Brasil. (AFP/Tasso Marcelo)

Nova York, 21 de junho de 2013 - Pelo menos 25 jornalistas relataram terem sido atacados ou detidos durante os protestos que varreram o Brasil nas duas últimas semanas, crescendo do descontentamento em São Paulo sobre aumentos de tarifa de transporte público para as manifestações mais amplas em todo o país contra as políticas do governo.

junho 21, 2013 5:02 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Brasil

Executivo de mídia assassinado no Brasil

Nova York, 13 de junho de 2013 - As autoridades brasileiras devem identificar o motivo por trás do assassinato na terça-feira de um executivo de meios de comunicação, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Quatro homens mascarados atiraram ao menos 41 vezes contra José Roberto Ornelas de Lemos enquanto ele estava em uma padaria, no subúrbio do Rio de Janeiro, segundo as informações da imprensa.

junho 13, 2013 6:05 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Brasil

Jornalistas brasileiros detidos enquanto cobriam protesto

Nova York, 13 de junho de 2013 - Ao menos três jornalistas brasileiros foram detidos pela polícia militar quando cobriam um protesto na terça-feira e um continua sob custódia, segundo as informações da imprensa. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) insta as autoridades brasileiras a permitirem que os jornalistas trabalhem livremente sem temor de perseguição.

junho 13, 2013 5:52 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Venezuela

Venezuela liberta e deporta cineasta norte-americano

Nova York, 5 de junho de 2013 - O cineasta norte-americano preso na Venezuela desde abril sob infundadas acusações de espionagem foi libertado e deportado do país, segundo informado hoje. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPH) saúda a liberação de Timothy Tracy Hallet, e insta as autoridades venezuelanas a permitir que todos os jornalistas possam trabalhar sem interferências.

junho 5, 2013 4:54 PM ET

Também disponível em
Español, English

Notícias   |   Bolívia

CPJ condena saque a estação de rádio na Bolívia

Bogotá, Colômbia, 28 de maio de 2013 -  Um ataque a uma estação de rádio comunitária na região central da Bolívia constitui uma tentativa politicamente motivada de censurar sua cobertura jornalística, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas que instou as autoridades a investigar o caso e prender os agressores.

maio 28, 2013 5:29 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Colombia

Jornalistas colombianos ameaçados por informar sobre restituição de terras

Bogotá, Colômbia, 8 de maio de 2013 - Um grupo obscuro que alega se opor aos esforços de restituição de terras na Colômbia advertiu oito jornalistas que cobrem a questão para que deixassem a cidade de Valledupar, no norte do país, ou seriam mortos, de acordo com entrevistas realizadas pelo CPJ e reportagens.

maio 9, 2013 4:09 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Guatemala

Jornal guatemalteco assediado após reportagens críticas

Nova York, 2 de maio de 2013 - O diário guatemalteco elPeriódico está sendo alvo de uma série de ataques cibernéticos após a publicação de artigos sobre suposta corrupção no governo do presidente Otto Pérez Molina. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas insta as autoridades a investigar o caso imediatamente e a pôr fim ao assédio.

maio 2, 2013 6:53 PM ET

Também disponível em
English, Español

Blog   |   Brasil

No Brasil, o despertar de um "Rodrigo Neto, em cada um de nós"

Por Sara Rafsky/ Pesquisadora Associada do Programa das Américas

(Courtesy of Diário Popular)

Um mês após seu colega Rodrigo Neto ser morto a tiros na rua depois de comer em uma popular barraca de churrasquinho, os jornalistas do Vale do Aço, no Brasil, ficaram indignados. Denunciando uma investigação lenta e a possibilidade de envolvimento da polícia no assassinato, eles colocaram faixas pretas nos seus pulsos em sinal de solidariedade, usaram camisetas com o seu nome, e tomaram as ruas para exigir justiça. Seis dias depois, Walgney Assis Carvalho, um fotógrafo que alegou ter informações sobre o crime, foi baleado duas vezes nas costas por um assassino mascarado quando se sentou em um pesque-pague. Os jornalistas do Vale do Aço ainda estão indignados, mas agora eles estão aterrorizados.

maio 2, 2013 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   México

Jornalista ameaçado depois de noticiar assassinato em Veracruz

Cidade do México, 17 de abril de 2013--A revista mexicana de circulação nacional Proceso noticiou terça-feira que tomou conhecimento de um complô de funcionários do governo de Veracruz contra a integridade do jornalista Jorge Carrasco, que tem reportado extensivamente sobre o assassinato da correspondente da revista no estado. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas insta as autoridades a investigar completamente as supostas ameaças e garantir a segurança de Carrasco. 

abril 18, 2013 2:53 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Brasil

Outro repórter do jornal Vale do Aço assassinado a tiros no Brasil

Nova York, 15 de abril de 2013 - As autoridades brasileiras devem levar à justiça os envolvidos no assassinato de um fotojornalista da editoria de polícia na noite de domingo, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). Walgney Assis Carvalho era um repórter fotográfico freelance que colaborava com o jornal Vale do Aço no estado de Minas Gerais, região sudeste do país.

abril 15, 2013 5:59 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Honduras

Homens armados atiram em jornalista de TV em Honduras

Nova York, 10 de abril de 2013 - Homens não identificados aparentemente abriram fogo contra uma jornalista de TV hondurenha cujo trabalho incluiu a cobertura de um conflito de terras, segundo as informações da imprensa. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas insta as autoridades a realizarem uma investigação completa e diligente que leve a prisões no caso do ataque à jornalista Fidelina Sandoval, que não ficou ferida.

abril 10, 2013 6:35 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Equador

Diretor de jornal recebe pena de prisão por difamação no Equador

Nova York, 12 de março de 2013 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas condena a sentença de prisão emitida na sexta-feira para Yaco Martínez, diretor do jornal La Nación, na província de Carchi. Martínez foi condenado por difamar a ex-governadora em um artigo publicado em seu jornal, segundo as informações da imprensa.  

março 12, 2013 10:26 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Colombia

Carta-bomba enviada para casa de jornalista colombiano

Bogotá, Colômbia, 11 de março de 2013 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas pede às autoridades colombianas que investiguem o ataque contra um jornalista que denunciou corrupção policial e as atividades de grupos guerrilheiros de esquerda na região. Juan David Betancur recebeu uma carta-bomba pelo correio na quinta-feira que não chegou a explodir e não provocou ferimentos, segundo as reportagens da imprensa.

março 11, 2013 6:36 PM ET

Também disponível em
English, Español

Blog   |   Brasil

Autoridades Brasileiras expressam apoio ao sistema de direitos humanos da OEA

Carlos Lauría, esquerda, e Mauri König encontram o presidente do STF brasileiro, Joaquim Barbosa, na quarta-feira como parte da missão do CPJ ao Brasil. (Supremo Tribunal Federal)

Carlos Lauría / Coordenador Sênior do Programa das Américas do CPJ

"Deixe-me em paz. Vai chafurdar no lixo" disse em um acesso de raiva o presidente do Supremo Tribunal Federal brasileiro, Joaquim Barbosa, a um repórter de um dos principais jornais nacionais, O Estado de São Paulo, que tentou lhe fazer uma pergunta na terça-feira em uma reunião do Conselho Nacional de Justiça em Brasília, capital do país. Atordoado pela reação de Barbosa, o jornalista exigiu uma explicação. "Você é um palhaço", foi a resposta que recebeu do presidente do mais alto tribunal do Brasil.

março 8, 2013 4:41 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Brasil

Radialista do interior é morto a tiros no Brasil

Nova York, 25 de fevereiro de 23013 - Um radialista que frequentemente denunciava crimes em seu programa foi morto a tiros na sexta-feira no nordeste do Brasil, segundo as informações da imprensa. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) condena o assassinato e pede às autoridades que realizem uma investigação completa e levem os responsáveis pelo crime à justiça.

fevereiro 25, 2013 12:31 PM ET

Também disponível em
English

Ataques contra a imprensa   |   Venezuela

Ataque à Imprensa em 2012: Venezuela

A poucos dias de sua reeleição, em outubro, o presidente Hugo Chávez Frías viajou a Cuba para se submeter a tratamento médico devido ao reaparecimento de um tipo não especificado de câncer, deixando o cenário político venezuelano em clima de incerteza no final de 2012. Chávez havia declarado durante a campanha que estava curado do câncer diagnosticado em 2011, ainda que os detalhes sobre seu estado de saúde fossem envoltos em mistério. No período que antecedeu as eleições, nas quais Chávez derrotou o candidato da oposição Henrique Capriles Radonsky, sua administração continuou a sistemática campanha contra os meios de comunicação críticos através do uso de legislação, ameaças, e medidas regulatórias, enquanto utilizava um ilimitado tempo de transmissão através de seu império de mídia estatal. A eleição intensificou o ambiente já polarizado: tanto jornalistas pró-governo quanto simpatizantes da oposição foram atacados enquanto cobriam os eventos da campanha eleitoral. A investida de Chávez contra a liberdade de imprensa se estendeu para além das fronteiras do país em 2012. A Venezuela fez parte de um bloco de países dentro da Organização dos Estados Americanos que trabalhou para desmantelar o sistema regional de proteção dos direitos humanos, incluindo a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão. O governo também anunciou a sua retirada da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, o primeiro passo necessário para se desvincular dos dois organismos de direitos humanos da OEA.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Estados Unidos

Ataque à Imprensa em 2012: Estados Unidos

A administração Obama continuou a reprimir funcionários que vazam informações sigilosas para a imprensa. Um antigo funcionário da CIA declarou-se culpado de acusações criminais relativas ao vazamento da identidade de um agente secreto, encerrando efetivamente uma batalha legal de três jornalistas que lutavam contra intimações do governo para testemunhar no caso. O diretor da inteligência nacional anunciou novas regras para conter vazamentos, e o Senado debateu um projeto de lei que restringiria ainda mais a possibilidade de funcionários compartilharem informações de inteligência com a imprensa. Em questões relacionadas ao acesso, um juiz militar rejeitou o pedido de vários meios de comunicação para transmitir o julgamento na Baía de Guantánamo de suspeitos acusados ​​do ataque em 2000 contra o USS Cole. E uma série de organizações de notícias recorreu de uma decisão judicial militar de selar os documentos relacionados à corte marcial do soldado do exército Bradley Manning, que enfrentou acusações de vazamento de documentos secretos para a WikiLeaks. O repórter James Risen, o escritor Ed Moloney, e o documentarista Ken Burns continuavam lutando contra intimações que os forçariam a entregar suas reportagens inéditas ou a testemunhar em investigações criminais. Vários jornalistas foram presos cobrindo manifestações ligadas ao movimento Occupy.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Peru

Ataque à Imprensa em 2012: Peru

A violência contra a imprensa diminuiu levemente, mas a impunidade prevaleceu em casos anteriores. O promotor responsável pela investigação do assassinato do jornalista de televisão Pedro Alfonso Flores Silva, em 2011, foi morto em abril de 2012, na mesma semana em que divulgaria o resultado de suas investigações. No mês seguinte, a polícia nacional anunciou que o assassinato de Flores foi ordenado por um prefeito em represália à reportagem do jornalista sobre corrupção governamental - mas o prefeito nunca foi formalmente acusado pelo crime. Em outro caso, o ex-prefeito da cidade de Coronel Portillo foi absolvido, em maio, do assassinato do radialista Alberto Rivera Fernandez, em 2004. Após a condenação pela Corte Interamericana de Direitos Humanos, a Corte Suprema peruana revogou sua própria decisão de libertar Alberto Pinto, ex-chefe do serviço de inteligência do Exército, que cumpria sentença de 15 anos de prisão pelo assassinato de civis nos anos 90, incluindo o do jornalista Pedro Yauri. Diante de um mandado de prisão, Pinto se escondeu. Diversos ataques foram denunciados. Um jornalista foi espancado até ficar inconsciente, após noticiar sobre a corrupção local. Repórteres que cobriam protestos violentos contra um projeto de mineração foram agredidos pela polícia e por manifestantes. Nenhum jornalista foi preso em 2012, mas dois foram condenados a penas de prisão suspensas por difamação. Um projeto de lei que eliminaria as penas de privação de liberdade pelo crime de difamação está parado no Congresso desde meados de 2011.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   México

Ataque à Imprensa em 2012: México

Enquanto os militares lutam contra os cartéis de droga - e os grupos criminosos brigam entre si - a imprensa fica sob o fogo cruzado de criminosos e funcionários públicos corruptos que tentam controlar o fluxo de informações. Jornalistas desapareceram, foram ameaçados ou forçados a fugir em represália por seu trabalho e diversos meios de comunicação foram atacados. O jornalista Adrían Silva Moreno foi morto a tiros em Puebla logo após reunir informações sobre um roubo de gasolina em grande escala e, em seguida, presenciar um confronto entre soldados e criminosos armados. Cinco outros jornalistas foram assassinados durante o ano; o CPJ estava investigando para determinar se os crimes estavam relacionados ao trabalho das vítimas. Após ser alvo frequente de represálias, um jornal publicou um editorial declarando que não divulgaria mais reportagens sobre a violência desencadeada pelos cartéis. Em uma demonstração da insatisfação pública com a sangrenta ofensiva do presidente Felipe Calderón Hinojosa contra os cartéis, o rival Partido Revolucionário Institucional voltou ao poder com a eleição de Enrique Peña Nieto para a presidência. A administração de Calderón conquistou um marco histórico para a liberdade de imprensa em seu último ano. Após anos de esforços do CPJ e de outros grupos de defesa da liberdade de imprensa, o Congresso e os estados aprovaram uma emenda constitucional apoiada por Calderón federalizando os crimes contra a liberdade de expressão, um passo decisivo para combater a corrupção e a impunidade em todas as jurisdições do país. Entretanto, a legislação necessária para implementar a emenda ainda não havia sido aprovada no final do ano. Pelo menos 14 jornalistas foram assassinados em represália por seu trabalho durante a gestão de Calderón, entre dezembro de 2006 e dezembro de 2012, caracterizando o período como um dos mais letais para a imprensa já registrado em todo o mundo.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Honduras

Ataque à Imprensa em 2012: Honduras

Jornalistas que cobrem questões sensíveis como tráfico de drogas, corrupção no governo e conflitos de terras frequentemente enfrentam ameaças e ataques em uma nação tão dominada pela violência e pela impunidade que se tornou um dos lugares com maior risco de assassinato no mundo. O sequestro e assassinato de Ángel Alfredo Villatoro, um dos jornalistas mais conhecidos do país e amigo do presidente Porfirio Lobo, foi manchete durante semanas e levou a manifestações em todo o país contra a violência direcionada à imprensa. As autoridades não identificaram o motivo, mas acusaram três pessoas pelo homicídio. Refletindo a profunda polarização que se seguiu ao golpe de 2009 apoiado pelos militares, ataques a repórteres vistos como simpatizantes do presidente deposto Manuel Zelaya, atraíram menor atenção e ação do governo. A pesquisa do CPJ mostrou que as autoridades têm sido lentas e negligentes na investigação de numerosos casos de assassinato de jornalistas e outros crimes contra a imprensa desde o golpe de 2009 e, inclusive, tentaram minimizar a extensão da violência. A imprecisão nas investigações - o CPJ constatou que as autoridades frequentemente deixavam de ouvir testemunhas ou coletar evidências - tornou difícil determinar os motivos em muitos dos casos. Enquanto o Senado dos Estados Unidos declarou que deveria ser suspensa qualquer ajuda para Honduras devido às supostas violações de direitos humanos cometidas pela polícia, o Departamento de Estado anunciou a criação de um Grupo de Trabalho Bilateral de Direitos Humanos para ajudar o governo hondurenho na investigação dos homicídios de jornalistas.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   El Salvador

Ataque à Imprensa em 2012: El Salvador

Os jornalistas sentiram o efeito da violência generalizada das gangues. A equipe do site de notícias El Faro foi  intimidada, depois de escrever sobre uma rede criminosa que implicava empresários e políticos, e após revelar as negociações secretas entre o governo e as gangues. Pessoas não identificadas seguiram e fotografaram jornalistas do El Faro, disse o editor Carlos Dada. O ministro da segurança David Munguía Payés reconheceu que os jornalistas de fato corriam risco, mas inicialmente se recusou a fornecer qualquer proteção. O caso também expôs fissuras na solidariedade entre a imprensa salvadorenha, uma vez que foram poucos os jornalistas que inicialmente saíram em defesa do El Faro. Em todo o país, as taxas de homicídio aparentemente caíram depois que o governo negociou uma trégua com os grupos criminosos, mas alguns funcionários comentaram que simultaneamente aumentou o número de desaparecidos. Apesar da violência social generalizada, assassinatos de jornalistas não são comuns em El Salvador. A pesquisa do CPJ mostra que as autoridades, que em maio obtiveram a condenação do assassino de um cinegrafista em 2011, mostram um bom desempenho no combate à violência letal contra a imprensa.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Equador

Ataque à Imprensa em 2012: Equador

O clima de liberdade de imprensa continuou em acentuado declínio sob a gestão do presidente Rafael Correa. Tribunais mantiveram as condenações de difamação contra os executivos do jornal El Universo e os autores do livro El Gran Hermano em relação à sua cobertura crítica da administração de Correa. O presidente, que impulsionou as queixas, depois indultou os jornalistas, mas as decisões contribuíram para desencorajar investigações aprofundadas. Correa concedeu asilo político a Julian Assange, fundador da WikiLeaks, em uma ação que sublinhou sua antipatia aos Estados Unidos e buscou um contraponto para a sua imagem de adversário da liberdade de expressão. Estados-membros das Nações Unidas fizeram 24 recomendações para a liberdade de expressão na Revisão Periódica Universal do país. O governo equatoriano rejeitou três delas, incluindo uma que propunha a revogação de leis que criminalizavam a expressão. O presidente também iniciou um ataque contínuo contra o relator especial para a liberdade de expressão da Organização dos Estados Americanos, ação que ameaçou prejudicar um defensor vital da imprensa regional. Uma atitude contrária à imprensa prevaleceu em todos os setores do Estado equatoriano. Legisladores discutiram um projeto de lei que permitiria que uma entidade reguladora de mídia impusesse sanções arbitrárias à imprensa e limitasse a liberdade de expressão. O órgão regulador das telecomunicações fechou pelo menos 11 emissoras de rádio, mais da metade delas crítica à gestão do governo. E um fotógrafo foi morto em retaliação direta por seu trabalho, o primeiro assassinato confirmado de um jornalista pelo exercício da profissão no Equador desde 2005.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Cuba

Ataque à Imprensa em 2012: Cuba

Embora Cuba exiba a imagem de um país em processo de abertura política e econômica, ainda não adotou medidas concretas para promover a liberdade de expressão. As autoridades anunciaram planos para eliminar as regulamentações sobre vistos de saída do país, que há muito restringem as viagens de cubanos, mas alguns céticos duvidam do compromisso do governo com essa reforma. Uma pesquisa do CPJ mostra que a conhecida blogueira Yoani Sánchez teve o visto de saída do país negado ao menos 19 vezes. A Venezuela, que financiou um projeto cubano muito divulgado de cabos de fibra óptica, disse que a instalação estava concluída, mas Havana não informou até agora quando a tecnologia começará a ser usada. A difusão da internet no país continuava baixa, com conexões públicas lentas e caras. Cuba estava em nono lugar na pesquisa global do CPJ de países com os mais altos índices de censura, e as autoridades continuavam a reprimir a dissidência. Depois de um ano de ausência, Cuba voltou a figurar na lista de países com jornalistas encarcerados.  Um jornalista independente estava preso, quando o CPJ realizou seu levantamento mundial anual. Apesar de um número menor de detenções prolongadas de jornalistas nos últimos anos, organizações de direitos humanos e reportagens  documentaram detenções de curto prazo e perseguições durante eventos que receberam grande cobertura, como a visita do Papa Benedito XVI em março. As autoridades detiveram Sánchez e outros dois blogueiros quando estavam a caminho de cobrir um julgamento relacionado com a morte em um acidente de carro, em julho, do conhecido dissidente Oswaldo Payá. A jornalista e advogada Yaremis Flores foi detida por dois dias após informar sobre críticas feitas ao governo por sua resposta ao furacão Sandy em artigos publicados no site Cubanet, sediado em Miami. Dois anos após a libertação dos detidos na Primavera Negra, muitos dos jornalistas enfrentam sérias dificuldades econômicas no exílio. Um deles, Alberto Santiago Du Bouchet Hernández, cometeu suicídio em abril.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Colombia

Ataque à Imprensa em 2012: Colômbia

Jornalistas enfrentaram uma nova onda de violência da parte de grupos armados ilegais nos meses que antecederam o anúncio do governo do presidente Juan Manuel Santos de iniciar conversações de paz com o grupo guerrilheiro de esquerda Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC). O grupo manteve o repórter francês Roméo Langlois em cativeiro por mais de um mês, o primeiro sequestro de um jornalista internacional na Colômbia desde 2003, de acordo com a pesquisa do CPJ. Fernando Londoño, apresentador de um programa de rádio e ex-funcionário de alto nível do governo, ficou ferido e seu guarda-costas foi morto em um atentado à bomba em Bogotá. A polícia também esteve implicada em um incidente de violência contra a imprensa. Em novembro, o jornalista freelance Guillermo Quiroz Delgado morreu após ser preso enquanto cobria um protesto no departamento de Sucre. No hospital, Quiroz declarou ter sido agredido por policiais. Várias decisões judiciais favoreceram a imprensa. Irritados com as críticas expressas em um artigo de opinião, os sete juízes da Sala Penal da Corte Suprema de Justiça impetraram uma ação penal por difamação sem precedentes contra a colunista Cecilia Orozco Tascón. Os juízes desistirem do processo após sofrerem críticas generalizadas. A Procuradoria-geral classificou os atos de sequestro e violência sexual contra a jornalista Jineth Bedoya, ocorridos em 2000, como crimes contra a humanidade e, portanto, imprescritíveis. E dois ex-funcionários da agência nacional de inteligência (DAS), foram condenados a seis anos de prisão por um programa de espionagem ilegal que tinha como alvo jornalistas críticos, entre outras pessoas.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Brasil

Ataque à Imprensa em 2012: Brasil

Embora o perfil internacional do Brasil tenha se mantido em ascensão, o governo sistematicamente deixou de expressar liderança em questões relacionadas à liberdade de imprensa. A violência contra jornalistas aumentou, com quatro assassinatos diretamente relacionados ao exercício da profissão; também piorou a posição do Brasil no Índice de Impunidade do CPJ, que destaca os países onde jornalistas são assassinados com regularidade e as autoridades não se mostram capazes de solucionar os crimes. Juntamente com a Índia e o Paquistão - dois outros países mal classificados no Índice de Impunidade - o Brasil levantou objeções à abrangente proposta da UNESCO para ajudar as nações a combater a impunidade e proteger jornalistas. Em face de fortes críticas, a embaixadora do Brasil na ONU, Maria Luiza Ribeiro Viotti mais tarde manifestou amplo apoio à liberdade de imprensa e a elementos do plano da UNESCO. Entretanto, o compromisso do governo com a liberdade de expressão foi posto à prova em outra importante questão internacional. O Brasil apoiou uma iniciativa liderada pelo Equador para enfraquecer a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, o órgão de monitoramento de direitos humanos da Organização dos Estados Americanos, e sua relatoria especial para a liberdade de expressão. Em dezembro, Mauri König, repórter investigativo e ganhador do Prêmio Internacional de Liberdade de Imprensa do CPJ, deixou o país após receber ameaças de morte por suas reportagens sobre corrupção policial. O governo da presidente Dilma Rousseff apoiou duas iniciativas que promovem o direito púbico à informação. Rousseff assinou uma lei de acesso à informação e criou uma comissão para investigar os abusos contra os direitos humanos cometidos durante a ditadura militar no país, entre 1964 e 1985.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Ataques contra a imprensa   |   Argentina

Ataque à Imprensa em 2012: Argentina

As disputas entre o governo de Cristina Fernández de Kirchner e os principais meios de comunicação se intensificaram. Apesar de uma decisão da Corte Suprema que ordenou a distribuição equitativa da publicidade estatal, o governo de Kirchner continuou a negar propaganda governamental aos veículos críticos à sua gestão, enquanto não poupava anúncios aos que faziam uma cobertura favorável à administração, segundo um relatório especial do CPJ. Tanto a Corte Suprema como um tribunal de apelações federal aplicaram uma multa ao Executivo por descumprir a decisão, mas o governo não demonstrou nenhuma intenção de acatá-la. O governo também prosseguiu com a prática de atacar e insultar jornalistas e executivos associados a duas das principais empresas de mídia do país, Clarín e La Nación, às vezes usando campanhas de difamação em programas da televisão pública. Esses grupos de mídia, por sua vez, criticaram implacavelmente o governo. O resultado foi um clima extremamente polarizado, com os meios de comunicação dedicando considerável espaço para desacreditar um ao outro, e cidadãos sendo privados de fontes objetivas de informação sobre assuntos vitais de interesse público.

fevereiro 14, 2013 12:03 AM ET

Notícias   |   Peru

Jornalista peruano baleado após informar sobre corrupção

Bogotá, Colômbia, 6 de fevereiro de 2013 - Um jornalista que trabalha em uma rádio interiorana no sul do Peru e que noticiou sobre corrupção governamental foi baleado na perna na manhã de hoje quando se dirigia de moto ao trabalho, segundo as informações da imprensa local e do grupo regional de imprensa Instituto Prensa Y Sociedad (IPYS).

fevereiro 7, 2013 12:28 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Brasil

Jornalista brasileiro condenado a pagar indenização em caso de difamação

Tribunal ordena que Lúcio Flávio Pinto pague mais de 200 mil dólares em danos (AP/Silvia Izquierdo)

Nova York, 31 de janeiro de 2013 - A decisão que obriga o jornalista Lúcio Flávio Pinto a pagar mais de US$ 200.000 em indenização relacionada a um processo por difamação deve ser revertida por um tribunal de recursos brasileiro, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas. O repórter, que inicialmente foi considerado responsável no final de 2012, perdeu na apelação em uma decisão divulgada em 23 de janeiro.

janeiro 31, 2013 5:13 PM ET

Também disponível em
English

Notícias   |   Venezuela

Globovisión investigada por questionar adiamento da posse de Chávez

Bogotá, 10 de janeiro de 2013 - As autoridades venezuelanas anunciaram na tarde de quarta-feira que iniciaram um processo administrativo contra um canal de televisão privado que havia transmitido informativos questionando a legalidade do adiamento da posse do presidente Hugo Chávez. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) insta o governo a abandonar imediatamente esta investigação politizada e a pôr fim à constante perseguição a Globovisión, o único canal crítico ao governo.

janeiro 10, 2013 6:12 PM ET

Também disponível em
English, Español

« 2012 | 2014 »