Notícias   |   México

Jornal mexicano é atacado pela terceira vez em um mês

Também disponível em English, Español

Caminhões de bombeiros estacionados em frente ao Sierra Madre (Reuters/Daniel Becerril)

Nova York, 30 de julho de 2012 - As autoridades mexicanas devem investigar imediatamente o incêndio criminoso nas instalações de um suplemento de propriedade do jornal El Norte, o terceiro ataque contra uma publicação do El Norte este mês, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Ao menos três veículos estacionaram em frente aos escritórios do Sierra Madre, no subúrbio da cidade de Monterrey, no norte do país, por volta das 18h00 de domingo, de acordo com as informações da imprensa. Pelo menos dois homens armados entraram no prédio e atearam fogo na recepção, informaram as reportagens. Segundo noticiado, um funcionário ficou levemente ferido quando fugia do ataque que causou extensos danos às instalações.

A análise do site do Sierra Madre realizada pelo CPJ demonstra que o noticiário é dedicado a eventos sociais como casamentos e festas.

Em 10 de julho, o La Silla e o Linda Vista, outros dois suplementos sociais semanais do El Norte foram atacados por indivíduos portando armas e artefatos explosivos, segundo as informações da imprensa. O Vanguardia informou que o La Silla foi atacado quatro vezes desde 2006. Nenhum dos dois atentados foi solucionado.

O motivo do ataque realizado no domingo é desconhecido, segundo a imprensa. Jornalistas locais disseram ao CPJ acreditar que os atentados aos três suplementos podem ter sido uma represália à cobertura crítica realizada pelo El Norte sobre a violência vinculada ao crime organizado. Não está claro qual artigo do El Norte poderia ter motivado o ataque.

"Cada fracasso das autoridades mexicanas na investigação de um ataque contra a imprensa estimula os agressores e alimenta uma nova onda de intimidação pela violência", disse o coordenador sênior do programa das Américas do CPJ, Carlos Lauría. "As autoridades têm o dever de impedir que criminosos controlem as ruas e o fluxo de informação - e poderiam começar resolvendo esta violenta série de atentados contra os suplementos do El Norte".

O México é um dos países mais perigosos para a imprensa, de acordo com a pesquisa do CPJ. Os meios de comunicação têm sido vítimas frequentes de ataques cometidos por indivíduos que utilizam armas e granadas, demonstra a investigação do CPJ. No mesmo dia em que ocorreu o atentado contra as duas publicações do El Norte, as instalações do jornal El Mañana em Nuevo Loredo foram atacadas com um artefato explosivo, segundo as informações da imprensa. Em março, um jornal e uma emissora de televisão do estado de Tamaulipas foram atacados em menos de uma semana.

  • Para mais informações e análises sobre o México, visite a página do CPJ sobre o país aqui.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho