Notícias   |   México

México deve investigar o assassinato de jornalista sequestrado

Também disponível em English, Español

O corpo de Marco Antonio Ávila García foi encontrado na sexta-feira (Reuters/German Osuna)

Nova York, 21 de maio de 2012 - As autoridades mexicanas devem romper o ciclo de impunidade nos homicídios de jornalistas investigando de forma completa o assassinato do jornalista de editoria de polícia Marco Antonio Ávila García e levando os responsáveis à justiça, afirmou hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

O corpo de Ávila, que mostrava sinais de tortura, foi encontrado na sexta-feira em uma estrada de terra perto da cidade de Guaymas, no estado de Sonora, de acordo com o gabinete da Procuradoria-Geral. A autópsia revelou que ele foi estrangulado, segundo reportagens. Sem fornecer outros detalhes, o porta-voz da Procuradoria estadual, José Larrinaga Talamante, disse a repórteres que uma mensagem por escrito associada ao crime organizado foi deixada junto ao corpo.

Homens armados haviam sequestrado Ávila na tarde de quinta-feira em Ciudad Obregón, no estado de Sonora, a aproximadamente 104 quilômetros de onde seu corpo foi encontrado, de acordo com as informações da imprensa. Larrinaga disse que o jornalista estava aguardando seu carro em um lava-rápido na quinta-feira quando quatro homens armados com rifles o obrigaram a entrar em um veículo, segundo testemunhas.

Ávila cobria criminalidade para o diário local El Regional de Sonora, e também escrevia para o jornal do mesmo grupo El Diario de Sonora, na cidade de Nogales, em Sonora, informaram seus colegas. Eduardo Flores, diretor de ambos os jornais, explicou à agência Associated Press que Ávila escrevia sobre tráfico de drogas, mas estava proibido de realizar reportagens aprofundadas e nunca mencionou os cartéis pelo nome em suas matérias. O diretor disse que Ávila nunca havia mencionado ter recebido ameaças.

Colegas de Ávila, que pediram para permanecer anônimos por temor a represália, disseram ao CPJ desconhecer qualquer relato de jornalistas sendo ameaçados nesta região do estado ou de traficantes de drogas os advertirem para reduzir a cobertura sobre o crime organizado. "Sabemos como são as regras em outras partes do país. Então, pensamos que estávamos fazendo o suficiente para nos proteger", disse um repórter ao CPJ.

Informar sobre crimes é a tarefa mais perigosa para os jornalistas mexicanos. Os corpos de dois fotojornalistas que cobriam este tema foram encontrados em 3 de maio. A violência relacionada ao narcotráfico converteu o México em um dos países mais perigosos para a imprensa, de acordo com a pesquisa do CPJ. Desde 2006, mais de 45 jornalistas foram assassinados ou estão desaparecidos no país, apurou o CPJ.

"Lamentamos profundamente a morte do jornalista Marco Antonio Ávila García e enviamos nossas condolências aos seus familiares, amigos e colegas", disse Carlos Lauría, coordenador sênior do programa das Américas do CPJ. "A cada nova fatalidade torna-se claro que nenhuma área do país é imune à violência contra a imprensa. As autoridades mexicanas devem enfrentar este extraordinário desafio investigando plenamente estes assassinatos e garantindo que os criminosos não exerçam o controle sobre o fluxo de informações".
 
Flores disse à AP que Ávila era casado e tinha três filhos.

· Para mais informações e análises sobre o México, consulte o informe do CPJ Ataques à Imprensa.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho